segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Tintin por tintin

Passei 4 meses de férias no Rio de Janeiro. Vi muitas coisas boas acontecendo e outras, que todo mundo sabe muito tristes, mas uma das coisas que fazem parte da cultura brasileira e que eu sempre não gostei, é a mania de não dar valor ao seu dinheiro.

Muitos dirão: Como assim? Eu dou valor ao dinheiro sim.

Está bem, você dá, seu marido também, seu irmão, seu chefe, mas e resto. As pessoas que trabalham diretamente com ele não dão valo ao SEU dinheiro, é como se ele caisse das árvores.

Para deixar claro vou dar um exemplo. Eu estava comprando em um mercado e na hora de pagar dei uma nota de 50 reais. O Valor total da compra era de 19,95, então eu deveria receber 30, 05 de troco. A caixa me devolveu 30 e eu fiquei ali esperando os 5 centavos, ela então me olhou com cara de nojo e me disse: O que você quer?
Eu respondi: quero os meus troco
Ela: Ué, mas eu não já dei?
Eu: Não, está faltando 5 centavos
Ela: Mas você quer os cinco??????????????
Eu: Claro, porque se eu vier aqui sem os cinco centavos para pagar uma conta, você não vai tirar do seu bolso para cobrir a diferença, e muito provavelmente não vai me deixar pagar.
Ela: É verdade, mas eu não tenho os cinco para te dar.
Eu: Então você tem um problema, pois eu quero os cinco centavos, vou ficar esperando.

Claro que a esta altura do campeonato todos os outros clientes dos outros caixas já estavam nos olhando e comentando como EU era pão dura, mesquinha entre outras coisas. Todos ficaram do lado do caixa que deveria ter o troco. Ninguém pensou que eu também suo para ganhar dinheiro. E que no fim do dia se der diferença para menos o caixa paga, mas se der diferença para mais ele embolsa.

Depois disso, toda vez que entrei no mercado via os funcionários me olharem de cara feia. Pois é, eu virei a vilã. A monstra que queria o troca a que tinha direito. A perversa que não tinha pena da caixa que deveria cumprir o seu trabalho de providenciar o troca a que eu tinha direito.

Aliás cresci vendo isto acontecer. Se não tem troco, dá uma balinha, ou então um vale. Nunca achei isto certo. O correto é ter o troco. Se a caixa não tem, então peça a seu supervisor, ele tem que se virar, e não ficar "devendo" troco aos clientes.

Vivo em uma economia onde o centavo é muito valorizado. Vales de desconto então nem se fala, e isso vale para quem tem muito e quem não tem tanto assim. Você recebe estes vales através do jornal, ou mesmo de panfletos que são entregues na sua casa. Ninguém tem vergonha disso, pois sabem o valor que o seu dinheiro tem.

É muito chato ser considerada mesquinha, quando a única coisa que você quer é o que você tem direito. É muito chato explicar a um filho que ele deve ser correto ao dar um troco, quando o comércio da esquina não o é.

Acredito que este tipo de conduta deva ser reprimido e combatido. Não devemos deixar que a nova geração cresça vendo isso.

6 comentários:

João Carlos disse...

Então somos dois paranóicos... Eu faço questão de cada centavo no troco. E acontece que não é "favor", não: é Lei!

Se o estabelecimento comercial (ou o ônibus, seja o que for), não tiver o troco, é obrigado a arredondar PARA BAIXO o preço, até ter troco.

Citando Alistair MacLean: «Ricos discutem por centavos. Os pobres é que têm medo que pensem que eles são tão miseráveis que precisam de dinheiro».

E tente pagar sua passagem no "busum" com R$2,05 e ver o que o cobrador vai lhe dizer... (para quem não saber: a tarifa padrão no Rio é R$ 2,10).

Ana Cláudia Bessa disse...

Cris e João, eu confesso que apesar de pensar como vocês, nem sempre estou com "estômago" de reclamar...

Sei que erro sempre que aceito e que isso me torna conivente mas eu reclamo de tanta coisa que tem horas que simpesmente não dá...

Cristiane A. Fetter disse...

Oi João, eu também acho que é lei, mas nós temos que exigir sim, mas o que eu mais ví foi o pessoal deixar para lá.
Ótima a citação que você fez, é bem por aí.
Abraços

Cristiane A. Fetter disse...

Ana, a gente tem que ter estomago sim, porque se você chegar em um lugar sem 5 centavos, o comércio vai ter estômago para evitar que voce compre porque esta faltando não é?
Beijocas

On The Road disse...

DEMAIS esse desabafo!!!...certa vez juntei todas as moedas que meu pai "deixava de lado", ou não pedia..fiz plantão,pedi e peguei todos os trocos em moedinhas e no final de um mês enchi um copo de 500 ml de milkshake do mc donald de moedinhas..ele ficou assustado!

Até hj(estou com 23 anos) são a osso duro lá em casa, mas apesar dos apelidos do tipo mesquinha, eu sou a única que sempre tenho algum dinheiro na carteira...

Show de bola seu post!!..

SEJAMOS "MESQUINHOS" porem corretos...eu prefiro!..afinal de nada vale buscar, cobrar e exigir ética e moral e ser conivente com essas atitudes!!

bjos

Francis

Cristiane A. Fetter disse...

Francis é isso mesmo. Acredito que anoção do que o dinheiro realmente vale é por aí.
Isso não quer dizer que sejamos pães duros, ou outra coisa, mas é saber que custa muito a ganhar.
Vou dar um exemplo também.
Meu marido tem mania de deixar as moedas jogadas pela casa, eu tenho a mania de guardá-las. Ele começou a implicar comigo dizendo que eu era a irmã do Tio Patinhas, então em 10 meses eu fui até uma das máquinas de troca de moedas por notas que existem por aqui e adivinhe? eu tinha 104 dólares.
Uma média de 14 dólares por mês em moedas espalhadas pela casa. Depois disso ele nunca mais implicou comigo e passou a tomar mais cuidados com os trocos e a saber valorizar cana penny que ele recebia.
No Brasil isto ainda precisa ser muito trabalhado.
Abraços