segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Realizemos em 2008

Nós, do O Futuro do Presente, desejamos a todos os nossos amigos
que a realização seja a grande meta a ser atingida em 2008.
Realize seus sonhos, realize a mudança de seu comportamento,
realize seus relacionamentos.
Realize um mundo melhor para nossos filhos.
Comece. Realize.

"Não conheço ninguém que conseguiu realizar seu sonho

sem sacrificar feriados e domingos pelo menos uma centena de vezes.

Da mesma forma, se você quiser construir uma relação amiga com seus filhos,

terá que se dedicar a isso, superar o cansaço, arrumar tempo para ficar com eles,

deixar de lado o orgulho e o comodismo.

Se quiser um casamento gratificante terá que investir tempo, energia e sentimentos nesse

objetivo.

O sucesso é construído à noite! Durante o dia você faz o que todos fazem.

Para obter resultado diferente da maioria, você tem que ser especial.

Se fizer igual a todo mundo, obterá os mesmos resultados.

Não compare à maioria, infelizmente ela não é modelo de sucesso.

Se você quiser atingir uma meta especial

terá que estudar no horário em que os outros estão tomando chope com batatas fritas,

terá que planejar enquanto os outros permanecem à frente da televisão,

terá que trabalhar enquanto os outros tomam sol à beira da piscina.

A realização de um sonho depende de dedicação.

Há gente que espera que seus sonhos realizem-se por mágica,

mas mágica é ilusão, e a ilusão não tira ninguém de onde está.

Ilusão é combustível de perdedores.

Quem quer fazer algo encontra uma maneira, quem não quer encontra uma desculpa."

_______________________________________________________________________________ autor desconhecido

Free hugs

“Há um ano atrás, Juan Mann era só um homem estranho que ficava parado no Pitt Street Mall em Sydney, Austrália oferecendo abraços de graça para as pessoas que passavam pelas ruas. Um certo dia, Mann ofereceu um abraço a Shimon Moore, o líder da banda Sick Puppies e, desde então se tornaram bons amigos. Um certo dia Moore decidiu gravar Mann fazendo sua campanha por “Free Hugs”. À medida que o Free Hugs atingiu proporções maiores, o conselho da cidade tentou banir a campanha . Então Mann e seus amigos fizeram uma petição com mais de 10.000 nomes apoiando a campanha do abraço de graça.

Quando a avó de Mann morreu, Moore decidiu mixar o vídeo que ele tinha feito do Free Hugs com a música All the Same, que ele havia gravado com a sua banda Sick Puppies.
Vale a pena conferir o vídeo. Um filme que apresenta uma verdadeira história que inspira humanidade e esperança. Algumas vezes um abraço é tudo que precisamos. Free Hugs é uma história real, sobre um homem que acreditava que sua missão era trazer alegria na vida das pessoas através de um abraço.”

Para O Futuro do Presente, este vídeo mostra muito mais do que amor ao próximo. Esse vídeo mostra muito mais do que abraços. Mostra que UMA pessoa consegue muito. Quando pensarmos que somos poucos, não somos!
Olha a extensão do gesto de UMA PESSOA!
Hoje, a proliferação das informações, os meios de comunicação, permitem que UM GESTO, um pequeno gesto, afete e inpire milhões de pessoas.
Somos poucos, mas somos muito!

Que 2008 nos traga a inspiração de pequenos e grandiosos gestos!

Pensamentos que nos fazem pensar



Para conseguir a amizade de uma pessoa digna

é preciso desenvolvermos em nós mesmos

as qualidades que naquela admiramos.



Sócrates (filósofo grego considerado o fundador da Filosofia)

domingo, 30 de dezembro de 2007

BRIGADUUUUUUUUUUUUUUUUU!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Gente, fiz esta lista para agredecer a todos que nos deram o prazer de sua visita e de seus comentários.

Muitos já se tornaram nossos "clientes", assim como a gente deles e outros já viraram amigos virtuais.

Obrigada a todos por nos ajudar a fazer e refazer este blog.

Esperamos que esta conexão continue e se intensifique ainda mais neste novo ano.

Simplesmente meu agredecimento a:

Adriana - Espírita da Net
Adriana Fischer - Diário da Mamãe Adri
Alessando Martins - Cracatoa Simplesmente Sumiu
Alexandre Mansur - Blog do Planeta
Aline S. Dexheimer - Aline Silva Dexheimer
Ana B. - A lambisgóia
Ana Paula Pontes - Blog da Aninha
Bia Py - Bia Py
Carina - Eu de Mãe
Carolina Arêas - Terapia Floral
Ceila Santos - FreeLancer - O Profissional que Rala
Clarice - Veja o Que eu Vi
Claudia Costa - Eco Amigos
Cyça - Rescrescendo
Cynthia Semiramis - Cynthia Semiramis
Danielle - Lele e Felipe
David Santos - Só Verdades
Denise Arcoverde - A Dor e a Delicia de Ser o Que É
Denise Rangel - Sturm Und Drang
Drica - Natureza Incostante
Edna Fererico - Pensamento Nosso
Evellyn - Meu Mundo e Nada mais
Fabiola - Matrice
Flávia - cheers!fla
Flavia - Viajar é Tudo de Bom
Flavia Sereia - Flavia Sereia
Geovana Costa - Ô Menino Rude
Iverê Thenório - Atitude Verde
Lylilyn - Falando de Tudo da Tela do Lar
Lu - Canto da Lu
Luma - Luz de Luma
Luz Fernandez - Carbono Zero
Mainha - Vivendo & Aprendendo
Manu Pink - Manu Pink
Maria Augusta - Lè Jardin Éphémère
Marina - Marina W
Mercedes Lorenzo - Folha Verde
Mi - Noncapisco
Mi - Quintal da Mi
Nando Damázio - A Melhor Novela de Todos os Tempos
Oscar Luiz - By Oscar Luiz
Pedro Dória - Pedro Dória - Weblog
Pitanga - Pitanga Doce
Renata Gonçalves - Ideia Legal
Renata matteo irmã/irmão - Acontece Aqui
Rita de Cassia - Sonhos de Croche
Roberto Passos - Roberto Passos
Roseane Heidelberg - Pavulagem da Ro
Rosinha - Pare, Olhe e Escute
Samanta Shiraishi - Atualidades sob os olhos
Samanta Shiraishi - Desabafo de Mãe
Sandra Goraieb - Mamãe passou Açúcar em Mim
Silvia D. Schiros - Faça sua Parte
Simone - Wind of Change
Simone Zelner - De Tudo um Pouco
Tavio - Taviorio
Trícia - Manga Rosa
Vera Falcão - Fora do Manual

Alessandra Braz, Alessandro Martins, Alice, Álvaro, Alvaro Nogueira, Andrea, Anonimos, Cami, Ciro, Clarice Batista, Cláudia, Claudinha, Cleite Fontenelle, Cristina Santos, Eliana, Eliana Damião, Eurico Marcondes, Fábio Tôrres, Fernanda Acioli, Isabela Garcia, João Carlos Orkut, Juliana, Cardoso, Laila, Laura Amaro, Livia, Livia A., Lúcia, Luciana, Luciana Amaral, Marcelo Bessa, Marcos, Maria de Lurdes, Maria Maria, Mariana Veloso, Milton Fetter, Miriam, Paola Oliveira, Paula - RJ, Paula e Leo - Campinas, Paulo, Pedro Alves, Rafael Fontan, Rogério Resende, Simone, Simone Falcão, Sueli , Sueli Maria Fontes, Marieta, Sula, Suzana, Suzana Elvas, Tânia, Valéria, Valéria Murillo, Zilda.


Caso alguém que tenha nos visitado, e não esteja aqui, é só deixar um comentário que eu já-já coloco na lista. Alguns amigos irão se encontrar no outro blog o http://www.todoyda.blogspot.com/, é assim mesmo, risos.

________________________________________________________________________________ Cristiane A. Fetter

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Metas do dia da terra - parte final !!!

Vim encerrar com vocês os meus acompanhamentos das metas sustentáveis que estabeleci para mim para 2007 no Dia da Terra.

Descobri a coleta seletiva na porta de casa. Nem preciso separar os tipos de recicláveis: vai tudo junto para a tal cooperativa. Foi fácil, só precisei me cadastrar no site, como já contei neste post.

Não jogo mais pó de café no lixo. Todo o pó de café coado vai para as plantas. Café não é adubo mas é matéria orgânica que usada junto com adubo, ajuda no desenvolvimento das plantas. Além disso, café que vai pro lixo é insolúvel, por isso não é bom nem ir para o lixo, muito menos ir pelo ralo da pia. A única ressalva é que devemos tomar cuidado com o excesso de café nas plantas, excessos de qualquer coisa devem ser evitados, consequentemente café também. Eu , como tenho muitas plantas, vou controlando onde coloquei...dá para fazer um rodízio legal.

Cascas também são usadas ao máximo como relatei no post sobre as cascas de laranja.
Meu lixo orgânico e que vai para o lixo comum é um saco bem pequeno, o que me deixa bastante orgulhosa de meus progressos.

Minha horta está crescendo, vou ficar devendo as fotos pois ainda não estão no ponto que planejei. Chego lá!

Minhas árvores vão bem, obrigada...risos. E já plantei mais de 8 mudas virtuais que foi a minha meta para o segundo semestre. Fora minha novas plantinhas em casa, mais umas 30 mudas....

Dar fim sustentável a todo o lixo, ainda é uma tarefa difícil. À medida que começamos a separar o lixo, começamos a nos deparar com coisas que não tem ainda destino sustentável como é o caso dos isopores, embalagens mistas (plásticos com alumínio, tampas de alumínio, selos de borracha, cotonetes, lenços umedecidos, etc...)

Como disse nossa amiga Mercedes, tem coisas que ainda vão para limbo...

Meu lixo orgânico é mínimo e isso assusta quando a gente se depara com a quantidade de lixo descartável que a gente gera (coisa de 10 vezes mais aqui em casa!!!). E mais da metade do meu saco "orgânico" é de fraldas descartáveis que um dos meninos ainda usa! Meu desafio maior ainda é me livrar deste conforto! Estou apegada! (hunf!)

E fazer a compostagem dos resíduos orgânicos, ainda não foi possível.
Fiquei em débito com as minhas metas. Pensei, iludidamente que seria mais fácil do que realmente foi. São muitas coisas a fazer quando começamos, preciso de mais tempo. Ainda estou estudando e comecei a ler sobre compostagem. Pensei outro dia, se diante de tão pouco lixo, se a queima para transformar essas cinzas em adubo de planta não seria mais fácil. Será que a queima de tão pouco lixo interfere na meio-ambiente? Jogar as cascas nas plantas não foi uma boa idéia pois como não é alimento transformado em adubo, é apenas resto de alimentos (leia-se matéria orgânica), começou a chamar baratas (eca!).

Por isso mesmo devemos começar hoje a mudar nossos hábitos, quanto mais tarde, pior, mais difícil. Quanto antes, melhor !
Agora é fazer minhas metas para 2008! Já estou pensando nelas!

E como este é meu post final deste ano, quero agradecer muito a todos vocês que nos visitam e permitem que a gente possa dividir e debater nossas experiêcnias.
Obrigadaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!
E Feliz 2008!
________________________________________________________________________________ Ana Cláudia Bessa

Resultado da Enquete

Os brinquedos fabricados na China (de marcas famosas ou não) são:


Foram 12 votos e os participantes poderiam votar em mais de uma opção:

58% (7 votos) acham que são a maioria dos produtos encontrados nas prateleiras, está difícil fugir deles.

50% (6 votos) acham mais baratos, mas de qualidade inferior.

25% (3 votos) acham que caros ou baratos, quebram com facilidade.

25% (3 votos) acham que é a última opção. Não compram nunca.

16% (2 votos) acham caros, e de qualidade inferior.

8% (1 voto) acham caros, mas de qualidade superior.

16% (2 votos) são indiferentes. Compram sempre. O que importa é agradar a criança.

O resultado é de fato condizente com o que vemos nas prateleiras: só dá Mande in China.

Interessante ver o empate de que caros ou baratos , os produtos são de qualidade questionável e considerados como última opção de compra. Muito coerente.
E um fato importante: uma minoria é indiferente.
Isso é sempre bom!
Obrigada a todos que participaram!
Logo teremos outra enquete!

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

REMÉDIOS - parte 2

Na farmácia fica o seu cadastro e caso você precise de mais uma dose, o médico já escreveu isso na receita e no seu cadastro já tem esta indicação, é só voltar lá e o farmacêutico já providencia certinho sem necessitar voltar ao médico.

No Brasil eu lembro que quando precisa tomar 7 comprimidos de um determinado antibiótico, só conseguia comprar embalagens com 14. E o que eu fazia com os outros 7?, guardava e na próxima vez que tivesse os mesmos sintomas eu ia lá e tomava os tais comprimidos sem consultar o médico.

Agora, tem uma coisa chata, a demora. Você espera uma média de 30 minutos na farmácia para que o farmacêutico prepare a sua receita (mesmo que seja um simples analgésico), mas em compensação você paga o justo. No começo você reclama, mas depois se acostuma.

Isto não quer dizer que aqui não se venda produtos sem receita, claro que existe, mas as autoridades responsáveis trabalham muito para evitar isso e as leis são severas.
Também tem brasileiros aqui vendendo remédios brasileiros de forma ilegal. Primeiro que como eu disse é ilegal, entra como contrabando, segundo não se sabe se esses remédios são falsos ou não.
Aliás um dos problemas que os Estados Unidos tem com sua fronteira no México é a entrada ilegal de remédios por lá, não remédios brasileiros, mas americanos mesmos e muitos deles falsos.

Isto também não quer dizer que não existam remédios que não sejam vendidos sem receitas, existem sim e na sua maioria remédios para gripes, dor de cabeça, e vitaminas. São super controlados nos estabelecimentos onde são vendidos. Mas está sempre claro que a responsabilidade é sua em tomá-lo sem controle médico.

Resumindo, o controle sobre a venda dos remédios é muito alto; dependendo do medicamento somente com receita médica e controle médico do mesmo; você paga por aquilo que você precisa e não por aquilo que os laboratórios querem que você leve.

Sei como é difícil a compra de remédios no Brasil, até porque meus pais que vivem de aposentadoria quando precisam gastam uma fortuna com isso.

Não sou profunda conhecedora do mercado farmacêutico (já trabalhei nesta área, mas no segmento de cosmética), nem quero polemizar, mas só sei de uma coisa, corrigi meu antigo mau-hábito de comprar remédios sem receita médica e além de economizar quando preciso comprar algum, aprendi a utilizá-los de forma mais saudável.

__________________________________________________________________________________
Cristiane A. Fetter

Pessoas que fazem diferença no mundo


Médicos Sem Fronteiras (ou MSF) é uma organização internacional não-governamental sem fins lucrativos que oferece assistência à saúde, em casos como conflitos armados, catástrofes naturais, epidemias, fome e exclusão social. É a maior organização de ajuda humanitária não governamental do mundo na área da saúde e recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1999 como reconhecimento do seu combate em favor da ingerência humanitária.Atualmente trabalha em mais de 70 países.

Blog de Elite!

Amigos, este final de ano tá mais do que especial.

Recebemos também o selo "Eu tenho um blog de elite" da Samantha, o que muito nos honra, já que ela sim, não só tem um blog de elite como é uma blogueira de elite.
Os premiados, por favor, leiam as regrinhas

-“Indique 05 blogueiros que você considera ‘de elite’ e explique o porquê de seus votos.
-Selo Oficial: “Eu sou um blog deElite” só pode ser usado por quem for indicado por alguém e isso deve estar provado no post.
-Regras & Sistemática: Como todo meme, é exigência um link para o blog que o indicou e outro para o criador do meme, neste caso o blog putsgrilo.com , Os blogs terão até o dia 31 de dezembro de 2007 para receberem votos. Todos os votos depois dessa data não serão computados. Cada voto deve ser informado o mais brevemente possível por meio de comentários nesta página e somente serão computados votos emitidos por blogs com mais de 01 mês de existência. Além disso, não serão computados votos de uma pessoa para si mesma, claro.
-Premiação:O prêmio será 01 Puts!Vale no valor de R$50,00 para você divulgar seu blog no Google Adwords.”

Durante o mês de janeiro todos os votos serão computados e o resultado, divulgado. Claro, o prêmio será enviadopelos correios ou depósito em conta.
P.S.: A promoção só terá validade se houverem no mínimo 20 blogs participantes até a data final da promoção. Então, nossos (ecléticamente) indicados são:

-Acontece Dentro

-A Lambisgóia

-Cracotoa Simplesmente Sumiu

-Meu Mundo e Nada Mais

-Pedro Dória-Weblog

quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

Não dou conta de tudo e pronto.

Eu estava lendo um desabafo de mãe e uma mãe conta que se sentia fracasssando por estar exausta e cheia de questionamentos visto que tinha deixado o trabalho para cuidar dos 3 filhos.

Sei bem como ela se sente. E já postei a respeito no dia das mães.

Mãe que trabalha fora se culpa pela falta de tempo com os filhos, mãe que fica em casa se culpa por não ser mais nada além de mãe.

E eu, que também deixei de trabalhar para ficar com eles, sinto esses questionamentos. Horas mais, horas menos. Mas uma coisa eu já aprendi e assimilei totalmente: eu não consigo dar conta de tudo. Existe sempre alguma coisa que vai ficar para depois ou será completamente perdida porque tem oportunidades que não voltam mais.
E ponto.

Já me frustrei, chorei, esperneei, reclamei, briguei e nunca adiantou nada.

Hoje, me sinto muito mais leve conformada com o fato que não sou um polvo, não tenho oito braços, não tenho olhos em todos os ângulos da cabeça, não tenho memória de elefante e meu dia não tem 48 horas. No dia-a-dia doméstico a mesma coisa. Tenho uma pessoa que me ajuda em casa e, de lambuja, com as crianças. Isso me permite alguns banhos mais demorados de vez em quando, uma manicure uma vez por mês e ainda que eu fique com as crianças que foram a prioridade que me fez deixar de lado toda uma vida profissional, mesmo que momentâneamente. A prioridade é ficar com eles.

E neste caso, recomendo para nós, mães que nos permitamos ter alguém que nos ajude no trabalho doméstico. Trabalho doméstico deprime a gente que sempre trabalhou fora e isso altera nosso humor, nossa qualidade de vida, nosso relacionamento com dimensões dinossauricas! Deleguemos as coisas ao pai das crianças porque temos uma fortíssima tendência a achar que ninguém faz nada tão bem quanto nós. E em muitos casos nem o pai...risos...é verdade...mas o que é que tem a coisa não ficar exatamente como queríamos?

Decidi até não fazer planos muito compridos para um único dia.

Tenho feito um planejamento básico e deixo fluir. E isso tem rendido ótimos fins de semana na base do “deixa a vida me levar”. Um exemplo: eu queria fazer um passeio com as crianças. Por uma série de motivos, acabamos tendo que sair num dia não planejado para isso e acabei juntando a necessidade com o prazer de passear. Mas tencionei apenas passear de barca. No caminho passamos por dois lugares históricos, entramos e nos esbaldamos. Sem estresse, sem hora, sem esperar. Deu tudo certo e ainda saí feliz porque fiz muito além do que planejei.
Troquei a frustração pela superação.

_________________________________________________________________________________
Ana Cláudia Bessa

Educação, pra quê mesmo?

"A educação liberta"

terça-feira, 25 de dezembro de 2007

REMÉDIOS - parte 1

Neste post vou voltar a falar um pouco sobre a vida americana e o que tem de diferente que eu encontrei aqui.

No Brasil estamos acostumados a entrar nas farmácias e comprar qualquer remédio. Eu digo qualquer, pois até aqueles que são regulados por receitas azuis, os famosos tarja preta, você compra. Inúmeras reportagens de telejornais brasileiros comprovam isso. E quando não é direto na farmácia, você pode adquirí-los pela internet.

Eu mesma, quantas vezes, comprei antibióticos, ansiolíticos, remédio para pressão alta, anticoncepcionais e tantos outros, para mim ou outras pessoas, sem necessidade de uma receita. Fui criada com essa cultura. A cultura da auto-medicação. Completamente errado.

Portanto, quando cheguei aqui nos Estados Unidos e fui pela primeira vez até uma farmácia para comprar um anticoncepcional e me informaram que somente com uma receita médica autorizada eu poderia adquirí-lo, levei um choque. Tive um chilique, argumentei que eu já utilizava este remédio no Brasil e que não havia motivo para ele não me vender o remédio.

O farmacêutico (pois aqui todas as farmácias tem um de plantão enquanto ele estiver aberta) me explicou que: "neste país é lei, pois se algo acontecesse comigo na utilização do produto que ele venderia sem receita, eu poderia processá-lo. Auto-medicação é proíbida aqui, se no meu país isso era normal, ele não poderia fazer nada, mas aqui só com acompanhamento médico".Grosseiro não, direto, normalmente assim são os americanos. Em assuntos assim não existe meio termo. Estão certos em não querer assumir responsabilidades.
Nem vou entrar no assunto de que no Brasil muito gente morre e chega a té a passar mal com a auto-medicação e a conivência das farmácias e seus funcionários.

Bem, voltando, - Pensei cá comigo: Ah isso é uma forma dos planos de saúde ganharem mais dinheiro, e claro os médicos também. E o que eu fiz? Quando soube que um amigo vinha do Brasil para cá, pedi que ele trouxesse os remédios que eu precisava. Mais uma vez cometi o mesmo erro.

O tempo foi passando, fui conhecendo melhor o sistema aqui e descobri que:

Se você não tem plano de saúde, qualquer médico que te atenda, dá para você DE GRAÇA todo o medicamento necessário. O governo entra com uma parte do pagamento e os laboratórios a outra;

Quando um médico prescreve algum remédio para você, ele faz a receita com a quantidade de dias e doses que você precisa e o farmacêutico prepara exatamente aquilo que você tem que tomar. Por exemplo, agora mesmo acabei de tomar um antibiótico por 10 dias, 1 por dia, então eu recebi da farmácia uma embalagem, com uma receita no meu nome e 10 comprimidos. Você compra exatamente o que vai usar, seja comprimidos ou solução. O remédio vem no seu nome e com seus dados.


Continua...

__________________________________________________________________________________ Cristiane A. Fetter

PRÊMIO Escritores da Liberdade

A Drica do blog Natureza Inconstante nos presenteou com esta indicação e agradecemos muito!

Tão legal quanto a indicação é a forma interessante de divulgação dos blogs e da oportunidade desses blogs se conhecerem.

Agora, como normalmente acontece no mundo dos blogs, escolhemos 10 outros blogs para receber o selo e postamos aqui. Depois visitamos seus blogs e comunicamos a nomeação para que cada um nomeie mais dez, e assim, sucessivamente. Então, segue nossos dez nomeados que são todos blogs que falam de assuntos delicados ou não, sempre com liberdade :

-blog Kálido
-Clube da Insônia
-Ética Já
-Folha Verde
-Fora do Manual
-Lucas, milagre da vida!
-Mude o Mundo
-Seção Karinassa
-Síndrome de Estocolmo
-O Chato

Obrigada, Drica!

segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Não é divertido!

Há algum tempo atrás, fui surpreendida com a frase acima, dita pelo meu mais velho de 3 anos e meio. Fiquei espantada, claro.
Ao mesmo tempo, não me surpreendi porque isso é uma coisa que eu já tinha dito a mim mesma: esse negócio desses programas de TV ficarem falando em diversão o tempo inteiro, não pode estar certo!

E não deu outra: escovar os dentes, não é divertido!

Ele cismou com isso.
E quem disse que na vida a gente só faz o que é divertido?
Claro que a escovação pode ser divertida, podemos fazer ajustes (eu canto, faço careta, boto a lingua prá fora, escovo meus dentes com eles...), mas é certo que ele tenha sempre esta expectativa?

Eu faço muitas coisa que não são divertidas mas que precisam ser feitas e nem por isso são ruins.

Outro dia vi uma matéria ou entrevista sobre trabalho e prazer e alguém disse uma frase que mencionava que se o trabalho te diverte, você não precisa se preocupar em trabalhar... É certo que temos que fazer nosso trabalho com prazer e ele rende sempre mais e melhor. Mas será que essa deve ser sempre a expectativa?

Será que é certo acostumar nossas crianças a não terem este tipo de frustração?
Será que isso não pode ocasionar frustrações maiores e mais difíceis de lidar?
Escovar os dentes, nem sempre é divertido, mas é tão importante que devemos fazer com prazer.

Eu acho que diversão, prazer e satisfação podem caminhar paralelamente, sem se cruzarem em muitos momentos e nem por isso, devemos perder o entusiasmo de fazer as coisas.

E agora tenho que arrumar um jeito de ensinar isso para esse menino!
________________________________________________________________________________
Ana Cláudia Bessa

Roubalheira institucionalizada

Salete Lemos está fazendo participação fixa, com cachê, no "Hebe", mas ainda não digeriu sua demissão da Cultura, em julho. Ela diz que foi dispensada após criticar os bancos e o governo. "Um banco ameaçou tirar o patrocínio se eu não me retratasse no ar. A Cultura perdeu o compromisso com a liberdade editorial", afirma Salete. A Cultura diz que a demissão dela não teve relação com o comentário.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/colunas/zapping/ult3954u323871.shtml

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Lei do Retorno

Em um belo e frio fim de tarde de um domingo outonal, estava eu chateada com não ter nada para fazer, quando me deparei com um comercial de uma seguradora americana. Ele dizia que todos temos uma responsabilidade com os outros. Era um comercial para vender seguros, mas o tema é muito interessante.

Faça o bem sem olhar a quem ou O que desejares para mim que venha em dobro para você, são duas frases "populares" que seu sempre ouvi enquanto crescia. Acredito muito na lei do retorno. Se você faz uma gentileza, ela volta, se você faz uma grosseria, ELA VOLTA!.

Temos responsabilidade sim com outros humanos que vivem ao nosso redor. Discutimos muito hoje em dia em como trabalhar para diminuir a poluição em nosso planeta. Também temos que trabalhar nossa consciência coletiva. Vivemos em comunidade e não adianta, precisamos de outras pessas que precisam da gente.

Se eu sempre faço algo em prol da comunidade em que vivo, outros terão um exemplo para também fazer a mesma coisa. Mesmo que isso seja um simples abrir de porta para uma pessoa que está carregando bolsas e está com as mãos ocupadas.

Sempre procurei fazer isso no meu dia-a-dia. E vou contar uma coisa que eu sempre fazia quando saía para o trabalho (quando ainda morava na zona sul do Rio de Janeiro onde o tráfego é muito alto nos horários de rush). Quando eu chegava à saída do prédio com meu carro, ficava aguardando que alguém me desse a oportunidade de passar para a rua, então logo a seguir eu fazia a mesma gentileza com outra pessoa que precisava de espaço. Aí vem a lei do retorno. Gentileza gera gentileza. Aí está a nossa responsabilidade.

Ajudar alguém que carrega peso, abrir uma porta, dar uma carona para um vizinho, ceder seu lugar no ônibus, não varrer sua sujeira para a calçada do vizinho, não deixar o som alto ao ponto de atrapalhar o bebê que está dormindo do outro lado da parede, pregar um botão para o irmão que está sem tempo para isso, pesquisar na internet um tema para sua mãe que não entende como fazer, e por aí vai.

É como se fosse uma daquelas correntes enviadas por e-mail, você recebe e passa para mais 10 pessoas. E funciona.

E nossa responsabilidade fazer com que o ambiente em que vivemos seja muito mais agradável, por isso é tão interessante ver as pequenas cidades brasileiras, onde todo mundo conhece todo mundo e ajuda todo mundo. Alguns vão dizer que em grandes cidades isto não é fácil, ok eu concordo que não é possível fazer isso, mas é possível fazer no condomínio, na sua rua, no seu trabalho, na sua escola, não é impossível.

Sempre me taxaram de chata por querer ser correta e não querer "embrutecer" por qualquer coisa, mas eu acho que devemos sempre tentar um acordo para qualquer situação antes de tomar decisões mais radicais e principalmente dar o exemplo as gerações que estão vindo.
Isto é nossa responsabilidade.

De acordo?

Depois encontrei um video no youtube que fala exatamente do exemplo que damos as crianças. Olha aqui



_________________________________________________________________________________ Cristiane A. Fetter

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

O moderno homem das cavernas

Na casa de amigos, conversávamos com um casal recém-casado também convidado e claro, o assunto pairou sobre filhos. O que me chamou a atenção foi o comentário do amigo que disse que queria ter filhos mas que a mulher não contasse com ele para trocar fraldas. Nem pensar!

Isso é uma coisa que acho bastante interessante em muitos homens: eles querem ter filhos, a mulher grávida os fazem se sentir no auge da virilidade mas na hora de assumir os filhos como estes se apresentam, se acham no direito de “escolher” aquilo que eles vão ou não fazer pelos filhos.

Já pensou se a mãe resolve que também não vai trocar fraldas?

E o pior é que existem muitos homens assim, ainda hoje em dia.

Vivemos uma época de globalização, de igualdade de direitos, de abolição de preconceitos e o mesmo homem que sai em seu carro ultra-moderno com seu laptop dentro da pasta e vive todas as outras “modernidades” possíveis e imagináveis do nosso tempo, esse homem, esse mesmo homem, não quer trocar fraldas.
Não lava louça, não cozinha, não ajuda nos afazeres domésticos e se comporta como nossos avós (porque nem nossos pais são mais assim) e só vêem o filho como prova de sua constatada masculinidade.

E o pior: ainda existem mulheres que aceitam que seus homens sejam assim e ainda não deixam que o homem divida as responsabilidades da vida em comum.

Pois eu acho que as mulheres merecem mais do que homens ao seu lado simplesmente. Merecem companheiros. Nossos filhos merecem pais de verdade: que trocam fraldas, que dão banho, comidinha na boca, ajudam a fazer dormir, levantam de noite, dão remédio, levam ao pediatra e acompanham os filhos nos passeios e, principalmente, não acham que cuidar do filho é uma atribuição exclusiva da mãe. Porque gerar o filho também não foi.
Esse é o homem moderno.

É assim que pretendo mostrar ao meu filho como ele deve ser.

Porque ser homem não é apenas fazer o filho. Ser homem é também participar, manter, educar e DAR O EXEMPLO.

E não é só ser marido, é ser companheiro.

__________________________________________________________________________________ Ana Cláudia Bessa

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

FILHOS?

Este blog é uma criação de, e, para pessoas que se procupam com o futuro do nosso presente, estamos sempre procurando mostrar nossas dúvidas, dicas e abordar temas muitas vezes polêmicos. Falamos sempre sobre os filhos que já temos e nossa preocupação com eles.

Estou levantando este tema porque me lembrei que na minha gravidez só falaram de algumas coisas para mim, como ter o neném, como amamentar, o que precisava comprar, mas não me prepararam para a impotência de ver um filho doente e não poder fazer nada, até que os remédios façam efeito, a não ser pegá-lo no colo, murmurar uma prece e falar baixinho no ouvido dele que – calma meu filho, já vai passar. Nem da dor de ver nos olhinhos do rebento a sua primeira decepção, ai meu Deus!.

Mas e as pessoas que ainda não os tem? O que será que elas pensam? O que será que elas sentem? Normalmente só falam das coisas lindas que a maternidade/paternidade traz, mas e as preocupações? E responsabilidades?
Muitas perguntas né?

A responsabilidade de ter e preparar uma criatura para o mundo é muito grande. Ter é fácil, mas continuar a preparação é que é difícil.
Tive oportunidade de perguntar a pessoas mais velhas qual era a preocupação delas quando tiverem os seus. A resposta que tive foi: nenhuma, só queríamos filhos!
Como mudou.
É muita importância, é muito importante.

Hoje não nos importa a quantidade mas sim a qualidade. Quem é mãe/pai, pãe ou mai sabe como é. Muitos valores se inverteram. Nós pensamos mais sobre este ato maravilhoso que é a criação de um novo ser e sua preparação para este mundo de meu Deus (adoro esta frase: "mundo de meu Deus").
Mas percebo que quem ainda não tem filhos quase não deixam seus comentários em nossos posts, com raras exceções.
Medo? Não sei, dúvidas? Com certeza.

Eu só posso dizer uma coisa. Não consigo entender como a minha vida era vivida antes da vinda do meu filho. É impressionante isso. Era como se antes da vinda dele eu não existisse. É muito forte, é arrebatador. Mesmo com todos os problemas, dificuldades e preocupações.
Aí me lembrei de um Poema do Vinícius de Moraes que fala sobre estas criaturinhas e de forma bem divertida resume muito do que a gente sente.


Poema enjoadinho
Filhos... Filhos?
Melhor não tê-los!
Mas se não os temos
Como sabê-los?
Se não os temos
Que de consulta
Quanto silêncio
Como os queremos!
Banho de mar
Diz que é um porrete...
Cônjuge voa
Transpõe o espaço
Engole água
Fica salgada
Se iodifica
Depois, que boa
Que morenaço
Que a esposa fica!
Resultado: filho.
E então começa
A aporrinhação:
Cocô está branco
Cocô está preto
Bebe amoníaco
Comeu botão.
Filhos? Filhos
Melhor não tê-los
Noites de insônia
Cãs prematuras
Prantos convulsos
Meu Deus, salvai-o!
Filhos são o demo
Melhor não tê-los...
Mas se não os temos
Como sabê-los?
Como saber
Que macieza
Nos seus cabelos
Que cheiro morno
Na sua carne
Que gosto doce
Na sua boca!
Chupam gilete
Bebem xampu
Ateiam fogo
No quarteirão
Porém, que coisa
Que coisa louca
Que coisa linda
Que os filhos são!

_________________________________________________________________________________ Cristiane A. Fetter


Poema retirado so site http://www.viniciusdemoraes.com.br/

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Recado da Mercedes

ESPÍRITO DE NATAL

Há muito tempo a comemoração tradicional do Natal já perdeu o último resquício de autenticidade em nosso mundo contemporâneo. Dizem até que já nasceu assim, visto que a data era mesmo dedicada ao deus pagão Mitra, e foi incorporada pela igreja católica por questões que não entrarão no mérito deste humilde e despretensioso texto...

Enfim, já que as tradições estão assim maleáveis... e pelo que ouço e leio, o verdadeiro espírito de Natal anda deixando muito a desejar para todos nós - resolvi fazer eu mesma um novo espírito de Natal... resolvi fazer aqui um ensaio de como pode ser um espírito-aquariano de Natal, na minha visão particular é claro.
Vou enumerar algumas coisas que podiam ser, digamos, adaptadas... e quem sabe tornarem-se ao menos mais divertidas ou genuínas?

Por exemplo: árvore de Natal... em vez de cortar pinheiros, podíamos iniciar a "tradição" do "plantio da árvore do Natal"... todos os anos, na véspera, iríamos com a família a algum parque ou no nosso jardim mesmo, e plantaríamos a árvore de Natal de 2007 (por exemplo). As árvores mais antigas nos lembrariam a infância de nossos filhos, ou a nossa adolescência... Isso já faria parte das comemorações, visto que todos teriam de ajudar. Também o cuidar da árvore perpetuaria o clima do Natal pelo ano afora...

A ceia é outro item onde podíamos inventar inúmeras novas tradições... cada uma das pessoas podia fazer um prato, mesmo que simples, nada de banquete... todos participariam, até as crianças. Ah, e uma das pessoas seria sorteada, porque seu prato seria levado até o local mais próximo onde houvesse pessoas necessitadas de alimento. Certamente daríamos boas risadas com alguns pratos, mas todo mundo ia sentir que participou de algum modo. A bagunça familiar na cozinha também faz parte das comemorações... afinal o Natal começa na véspera!

E se também instituíssemos que os presentes não poderiam ser comprados? Valem coisas inventadas, materiais e imateriais... vale cantar uma música ou fazer uma poesia, vale fazer um artesanato, vale trazer flores (roubadas do jardim, não compradas!). Vale fazer sachês, vale uma performance, uma piada... vale um abraço apertado; um beijo de tirar o fôlego também vale!

Por fim, podíamos nos sentar à ceia, comer e contar causos, e também conversar sobre o que cada um pensa do aniversariante... como cada um O conheceu, como é nossa amizade com Ele...

Você já pensou como seria um Natal assim?

Há espaço para a criatividade e para as relações?

Abra espaço neste Natal... especialmente limpando a área que anda entupida de ansiedade consumista, de dívidas financeiras, de angústia em parecer feliz.
Um lindo e generoso Natal a todos!
__________________________________________________________________________________
Mercedes Lorenzo

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

TAPA NA ELITE

O filme TROPA DE ELITE é uma tapa na cara da gente. Um tapa na cara de todo mundo. Um sacode geral. Um acorda! O filme é violento e mostra a realidade nua e crua da violência no Rio de Janeiro. Ninguém concorda com o que retrata o filme. Mas a verdade é aquela. De qualquer forma, o efeito do tapa já passou e pouco se fala do filme. A comoção já passou.

Não acho que o BOPE seja “aquilo tudo” que mostra no filme, mas tenho certeza que a Polícia Militar é aquilo: baixo, pequeno e danoso à nossa sociedade que o filme mostra. Embora a polícia seja a "ponta" mais fraca da corda, embora exista policial sério e honesto. A maioria é aquilo ali. O Policial é vítima e algoz.
E mostra o mais importante: que é a "elite" da classe média que sustenta e mantém essa violência e o governo patrocina. É o consumidor de droga que financia e mata. É o governo quem deixa entrar e ficar.

Não sei se a legalização das drogas resolveria o problema, mas que daria um fim rápido à tudo isso, daria. Claro, que isso não é solução porque assim como o tráfico veio substituir os bicheiros, alguma atrocidade vai substituir o tráfico.
Mas até que isso tome força de novo, teremos um tempo para respirar e quem sabe, nos preparar para não deixar que isso aconteça de novo (utopia, eu sei...).

Cerveja não é droga, cigarro não é droga? E são permitidos e estão por aí, acabando com a vida de muitos jovens, levando muitos a morrer prematuramente e dizimando famílias. Mas só bebe e fuma quem quer. Não há tráfico, não há violência que seja sustentada pelo consumo dos mesmos. Há contrabando e falsificação, uso abusivo de propaganda e mídia, mas isso é outra história.

Outra coisa que muito me intriga é o que os militares ficam fazendo que não estão de plantão nas fronteiras e aeroportos coibindo a entrada de droga ilegal no país?

O que falta para o governo usar essa "inteligência" sub-utilizada?
A gente ainda não está em guerra com o tráfico de drogas?
Vai lá ver o filme para ver se aquilo não é guerra? Pode ser civil, mas é guerra.
O Brasil manda militares para outros países como o Haiti e nós estamos aqui, abandonados pelo nosso governo.

E outra coisa que me veio á cabeça outro dia: apesar da justiça ser lenta, ineficaz e medíocre, que tal se os usuários tivessem as mesmas penas que os traficantes? Usuário, atualmente, diante da realidade, deveria ser tratado como criminoso, pois é isso que ele é. E isso inclui todo mundo que dá uma inocente cheirada no seu baseadinho ilegal comprado do tráfico!

Sei lá, gente...a gente sai do filme elétrico e desanimado, porque tá difícil acabar com aquilo tudo. A corrupção está em todos os níveis de nossa sociedade e eu, pelo menos, não vejo solução diante de tanta impunidade, falta de vergonha, ambição e falta de caráter que reinam em todas as esferas. Nota Zero para o Brasil, nota dez para o cinema nacional. O filme é muito bom, infelizmente.

A gente se tranca em casa, anda nos nossos carros com ar-condicionado, coloca os filhos em escolas particulares, compra videos games ou não se preocupa com o que eles estão fazendo numa Lan House.
E senta na frente da televisão num dia de domingo...
achando que com a gente nunca vai acontecer nada.

Até que um dia, acontece.




Foto: capa do livro no qual o filme se baseia


__________________________________________________________________________________ Ana Cláudia Bessa

Paz sem voz, não é paz, é medo!

Tirei a idéia de colocar essa música aqui, do blog da Samantha.
Para pararmos e pensarmos.

Minha Alma (A Paz Que Eu Não Quero)
O Rappa / Composição: Marcelo Yuka

A minha alma está armada e apontada
para a cara do sossego
pois paz sem voz
não é paz é medo
às vezes eu falo com a vida
às vezes é ela quem diz
qual a paz que eu não quero
conservarpara tentar ser feliz

As grades do condomínio
são para trazer proteção
mas também trazem a dúvida
se não é você que está nessa prisão
me abrace e me dê um beijo
faça um filho comigo
mas não me deixe sentar na poltrona
no dia de domingo
procurando novas drogas de aluguel
nesse vídeo
coagido pela paz
que eu não quero seguir admitindo.

Na voz de Maria Rita

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Crianças Especiais e Excepcionais - P2


Conforme combinado, segue o artigo da Antonia Yamashita:

"Eu diria que ter uma criança com deficiência é como nascer de novo, pois você passa a fazer parte de um novo mundo. Um mundo onde somos minoria, onde só nós conhecemos, e, mesmo entre nós poucos adotam a causa. Poucos fazem questão de lutar em busca do nosso lugar."

Hoje quando nasce uma criança os parentes e amigos se mobilizam até o hospital para conhecê-la e esperá-la junto à família. É uma verdadeira festa. Todos comemoram com muita alegria o nascimento daquele novo ser. Porém, quando alguma coisa não sai como o esperado e a criança vem com alguma deficiência tudo se transforma; começando com a visita dos amigos e parentes que nem chega a acontecer. Na verdade, a princípio nem há muito o que comemorar. Em geral, o nascimento de uma criança com deficiência traz consigo um misto de profunda tristeza, decepção, revolta, culpas, questionamentos sem respostas..., pois o pai, a mãe e a família toda espera sempre que nasça uma criança saudável.

É um momento decisivo para a família. São segundos que marcarão o futuro destas pessoas para sempre. São instantes de perdas irreparáveis. Rapidamente a família acorda de um sonho maravilhoso e tem que reestruturar uma realidade da qual ela não tem o menor domínio. É preciso que os laços familiares estejam bem estruturados para não desmoronarem diante deste acontecimento, pois fatalmente haverá uma alteração em todas as áreas de suas vidas. Sentimentalmente ocorre uma grande confusão diante do ocorrido, então, surgem as perguntas: Porquê comigo? Será castigo? Justo o meu filho! A área financeira também será abalada, pois o custo dos tratamentos de uma criança com deficiência é muito alto. No caso das famílias que possuem uma vida financeira mais frágil, a situação se torna ainda mais crítica.

Passado a fase inicial, é hora de levar a criança para casa. Muitos pais na verdade não tem ciência da real situação do bebê. A maioria dos hospitais não preparam os pais para enfrentar e aceitar a deficiência de seu filho. Em alguns casos, esta não será sequer notada durante os primeiros meses de vida, sendo percebida apenas durante seu desenvolvimento, e isso, a longo prazo. O relacionamento entre o casal, parte fundamental da família, também é afetado. A mãe geralmente é quem mais se dedica à criança. Muitas vezes entram em uma outra dimensão – num mundo de sofrimento e dor - e não conseguem sair, esquecendo da vida que sempre existiu. O pai é quem mais se afasta. Como mostram as pesquisas, a maioria acaba por abandonar a família; muitos por acharem que não tem condições de enfrentar a situação.

Com o passar do tempo e com a ajuda do cuidador, a criança vai ampliando seus contatos sociais, e aproxima-se o momento de conquistar outros espaços fora do seu meio familiar.... É o contato com a sociedade. Geralmente, esse primeiro contato se dá na ida para creche ou escolinha. A família enfrenta neste período a dificuldade da aceitação e convivência com a criança deficiente. Esse momento como não poderia deixar de ser, mexe muito com o sentimento da família. É preciso ser forte para buscar seu lugar em meio a uma sociedade completamente despreparada para lidar com o diferente. Toda família tem seu lugar na sociedade, com a liberdade de escolher onde seus filhos vão estudar, passear e morar; tudo de acordo com suas condições.

A família na qual um dos membros possui alguma deficiência sente com mais intensidade as dificuldades nas coisas mais comuns e simples da vida como estudar, trabalhar, passear.... E acabam fazendo uma triste opção... Algumas famílias desistem dos locais comuns e optam por colocar seus filhos em escolas especiais, impedindo que ele cresça por outros meios; o da convivência em sociedade.

Na minha opinião tal ação dificulta ainda mais a inclusão. Ao impedir o contato entre as pessoas diferentes cria-se a ilusão de uma sociedade perfeita; entretanto ao levantarmos esta cortina enxergamos uma sociedade com bases e raízes tão frágeis, que talvez por medo do contato com a realidade, acaba se escondendo atrás de pré conceitos fundamentados na falta de informação e conhecimento.

Passados os acertos, entendimentos, desentendimentos...chegando a aceitação do inevitável, agora a família parte para uma nova conquista; a do seu lugar na sociedade; lugar que não existe. Ao mesmo tempo que se criam leis para melhorar a vida do deficiente, estas não são postas em prática e quando são apresentam-se de maneira incorreta e em pequenas partes. (literalmente em doses homeopáticas!!)

Apesar de todo desconforto que sentimos, ainda assim mesmo acredito que vale a pena; vale a pena continuar; pelo meu, pelo seu, e por todos os filhos e filhas que a vida poderá nos proporcionar ...mas para isso é preciso darmos as mãos e mostrar a nossa importância no mundo; pois também nossos filhos tem o direito ao respeito, à ética, á dignidade e à cidadania.

É nesta sociedade que está inserida a família do deficiente.
________________________________________________________________________
Texto cedido pela própria autora Antônia Yamashita

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Crianças Especiais e Excepcionais - P1

Falamos de filhos, de seu futuro, do nosso futuro, preocupações e outras coisas, mas nunca abordamos as crianças especiais e/ou excepcionais e seus pais.

Fiquei pensando como se sentem estes pais, em relação a seus filhos que precisam de constante atenção.

Não deve ser fácil.
Mas de todos os casos que tive conhecimento, estes pais são orgulhosos em dizer e mostrar o quão poderosos são estas criaturas que vem para este mundo com tantas debilidades e conseguem sobreviver e viver assim.

Vidas delicadas sim, mas não menos importantes.

Sempre que estamos gerando uma vida nova, descartamos a possibilidade de que este novo fruto tenha alguma imperfeição, e agradecemos quando o vemos e ele está, digamos assim "direitinho". Mas, e se ele nascesse com algum problema?

Ele é seu filho, ponto, e eu acredito que ele não veio para este mundo a toa. Veio para aprender e nos ensinar muitas coisas e mostrar também para os outros que o nosso mundo é feito de diferenças. Claro que é bonito de falar, mas difícil de vivenciar isto. Por tal razão resolvi abordar este tema. Acredito que também tenhamos que mostrar como é este mundo, que em muitos casos vive à margem de nossas vidas.

Temos que falar das escolas que aceitam pessoas com algum tipo de deficiência, das ruas e prédios planejados para os cadeirantes, dos ônibus e taxis também preparados para este fim, das ruas que deveriam ter acessos especiasi, ou quando os tem lá estão camelôs ou carros estacionados irregularmente, impedindo assim o livre trânsito destas pessoas.

E também não esquecer como se comportam suas famílias, como vivem, como passam, do que precisam, suas carências e principalmente de onde tiram forças para vencer cada dia.

Falando nisso, eu gostaria de comentar sobre uma pessoa, a Antonia Yamashita, que faz um trabalho muito incrível, direcionado para estas familias, e que tem um filho com paralisia cerebral. Uma mulher forte, e que mesmo com todas as dificuldades, encontrou energia para criar um projeto que pretende ajudar os pais e pessoas que sofrem com mesmas dificuldades, é o Projeto PAPE (Projeto de apoio aos Pais Especiais). Além de escrever um livro, ter este projeto junto com o marido ela escreve artigos para revistas e internet sobre o asunto, e um deles estará no nosso próximo post.

Vamos pensar mais sobre isso.
Vamos lutar mais sobre isso.
Vamos falar mais sobre isso.

Continua na segunda-feira
__________________________________________________________________________________ Cristiane A. Fetter

NOTÍCIA URGENTE - Senado derruba prorrogação da CPMF

"Decisão retira dos cofres do governo R$40 bilhões em 2008. Estados devem ser afetados com cortes em repasses federais.

O plenário do Senado rejeitou na madrugada desta quinta-feira (13), por 45 votos contra 34, a proposta de prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) até 2011.

Logo após a derrota, o ministro de Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, disse que o governo não pretende apresentar uma nova Proposta de Emenda Constitucional (PEC) em 2008 para reimplementar a CPMF. "Vamos pensar numa proposta diferente”, disse o ministro.

A incidência da CPMF sobre as movimentações financeiras vai terminar no dia 31 de dezembro deste ano.

A decisão ocorreu após um longo processo de negociações - mal sucedidas - envolvendo governo e oposição e representa a redução em R$ 40 bilhões na arrecadação federal no ano que vem.

Com a derrota, o governo terá que apresentar uma nova Proposta de Emenda Constitucional, no ano que vem, para a criação da CPMF, caso queira renovar a cobrança do tributo. Neste caso, uma vez aprovada, o reinício da cobrança ainda levaria 90 dias, por conta da legislação tributária brasileira."

Agora devemos acompanhar o "andar da carruagem" e verificar se teremos novos impostos, e como o governo vai se virar sem o dinheiro da CPMF. O governo tem a obrigação constitucional de dar dinheiro para a saúde e no ano que vem aumentar em 10% o repasse para este setor.

Por Roberto Maltchika/Alexandro Martello
Informações retiradas de: G1-Portal de Noticias

Veja como votou cada senador clicando AQUI
__________________________________________________________________________________ Cristiane A. Fetter

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Só leite materno durante 6 meses?

Hoje, meu caçulinha está fazendo 2 aninhos!

12 de Dezembro, não é uma data linda?
Acho que uma coisa legal de partilhar com as pessoas são experiências boas do que se é certo fazer. Tem gente que gosta de dar bons exemplos de coisas erradas que deram certo. Eu guardo meus maus exemplos para mim...rs...
Eu, por exemplo, tentei demais ter meus filhos através de parto normal. Tive duas cesáreas. Mas não é porque meus filhos estão aqui saudáveis, que cesárea é melhor. Melhor é parto normal. E qualquer um que falar dos malefícios da cesárea, terá meu coro.
Não sou natureba, sou a favor do natural.

Meus dois filhos mamaram exclusivamente até o oitavo mês. Nem água tomavam. Mas eu me disponibilizei a isso, mesmo estando cansada muitas vezes, mesmo querendo e precisando dormir, mesmo sentindo meu peito quase secar (mas nunca secou porque mantive as crianças sugando em livre demanda), mesmo com dores enormes nos seios cheios e doloridos...enfim...é maravilhoso mas nem sempre é fácil. Mas também é mais fácil do que difícil, embora muita gente teime em querer dizer e acreditar no contrário.

O Primeiro parou de mamar aos 10 meses (eu estava grávida de 8 semanas). Infelizmente, rejeitou o peito de uma hora para outra. Acredito que os hormônios da gravidez tenham alterado o sabor (esqueci de provar...puxa vida...) e ele parou. Não me sinto mal por causa disso. Ele demonstrou desinteresse, mesmo eu tendo insistido um pouco, não adiantou. Lamento, e só. Fiz minha parte com tranquilidade e a natureza se procunciou. Meu peito secou completamente até o nascimento do segundo que mamou também exclusivamente, sem nem água, até o oitavo mês. Em ambos os casos, eles só começaram a comer novos alimentos quando demonstraram interesse. O menor mama até hoje, com 2 anos(preciso providenciar fotografias...rs).

Meu peito não enche mais, mas como ele suga, continuo produzindo. Meu primeiro filho não usou mamadeira, usou bico de copo, mesmo no recipiente da mamadeira (eu comprava um bico especial e doei os bicos tradicionais que vem junto com elas para um orfanato). Ele tomou leite de soja quando parou de mamar e só depois de 2 anos , começou a tomar leite de vaca e hoje toma quando pede, nao é regra. O segundo, como ainda mama, nunca tomou leite de vaca, e só usa copo, nunca usou mamadeira, nem com bico de copo. Eu que tive dois bem próximos e engravidei do segundo quando o primeiro tinha oito meses, posso falar: é barra. Muito trabalho mesmo. Imagino gêmeos... aliás, ne posso imaginar...rs...mas o legal de ver os dois crescendo juntos compensa tudo. E, ainda assim, só daria mamadeira por necessidade(extrema).
E tambem não usaram chupeta! Aliás, um belo assunto para um post!

E que bom que agora a lei permite que a mulher fique em casa esses primeiros seis meses fazendo mamar a sua cria! É tão bom , tão importante, tão fundamental. E para qualquer pai e mãe que nos lêem, não tenham dúvidas, é perfeitamente possível mamar só leite materno e crescer, desenvolver, ganhar peso e estar muito bem nutrido, sem nem mesmo precisar de água.

Peito é tudo. Cura soluço, cura cólica, cura gases, aconchega, acalma e nutre.

Eu dava peito prá tudo: é grátis, não dá trabalho para esquentar, está sempre limpo e saudável. E ainda dou, ele é que já me dispensa de vez em quando...
;0)
________________________________________________________________________________ Ana Cláudia Bessa

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Notícias recicladas

Ultimamente estou muito otimista com relação à reciclagem.

No banco em que tenho conta, encontrei lixeiras separadas para uso de todos para papel e plásticos. Outra coisa que vi foi que os formulários e blocos de papel timbrado do banco são de papel reciclado.
No posto de gasolina perto da minha casa, tem uma para plásticos. Não vi outras.
No mercado, pequenas lixeiras, escondidas na garagem, mas já tem.

Claro que isso não é muito, mas já é alguma coisa!

E a notícia maior foi que o lixo que eu levo para o Eco-posto tem destino sustentável.

Mas você perguntaria: Ora, se você entrega no eco-ponto, nada mais óbvio.
A resposta é não.

O Eco-ponto onde eu entrego meu lixo tem os coletores onde se misturam vários materiais conforme as fotos abaixo e claro que isso me deixou em dúvida quanto à destinação do lixo que eu "achava" que estava separando.

Eu perguntei na Associação de Moradores se o lixo do coletor azul, de fato ia para separação, caso contrário, meu esforço de nada adianta e eu ainda estaria poluindo o ar para levar o lixo até lá. Eles garantiram que a empresa de limpeza tinha pessoal para separar.
Não satisfeita, liguei para a empresa e minha surpresa foi ser atendida por uma pessoa totalmente preparada para tirar minhas dúvidas.
E mais ainda:

-O lixo do coletor múltiplo vai para uma cooperativa de catadores porque existem mais de 5 tipos de papel (papel de revista, jornal, etc...), plásticos e até vidro tem que ser separado por cor. Portanto, lá eles fazem essa separação específica.

-Até tetra-pack tem encaminhamento já que tem uma indústria que faz telha com este material (olha só!). Ela não deu certeza, mas pela lembrança dela, fica em Seropédica-RJ. Tem também uma empresa que faz utensílios e porta objetos com essas caixas.

-A empresa está com um projeto, junto com a iniciativa privada para colocar bancos de praça feitos com plásticos reciclado, ao invés de bancos de madeira.

E isso já melhorou!

Depois de tudo isso, ainda descobri que tenho coleta seletiva na porta de casa uma vez por semana! Não preciso mais levar ao Eco-posto!
E melhor: nem preciso ter várias lixeiras. Basta uma com os recicláveis que são levados para uma cooperativa que separa tudo. Foi mais simples do que eu poderia imaginar: entrei no site da empresa, mandei um e-mail e eles informaram que bastava eu me cadastrar para usufruir do serviço.
Será que a sua cidade também não tem? Já procurou saber?
Eu achava que não tinha e olha aí!
Pra mim, notícias melhores do que eu poderia sonhar!
________________________________________________________________________________
Ana Cláudia Bessa

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Reciclando idéias

Estamos muito engajados na onda ecológica, até porque é necessário. Até aí nenhuma novidade.


Mas ninguém fala da luta interna. Quando digo interna, quero falar sobre as pessoas que vivem dentro de nossa casa, conosco.

Para quem tem filhos pequenos é necessário educá-los. Fácil, fácil. Como já educamos, este item só entra na lista, o trabalho não aumenta, só modifica. Agora quem tem maridos, irmãos, pais e mães que não querem entender a necessidade de realizar uma alteração no modo de vida, sabe que tem um problemão. É necessário reciclar as idéias destas pessoas. Meus pais que não são tão jovens (meu pai tem 65 anos e minha mãe 61) já fazem muitas coisas para ajudar o planeta, são bem mais engajados que muitos outros que conheço.

Agora, também sei de casos que nem abrindo a cabeça com um machado a gente consegue colocar lá dentro estas informações. Tenho brigas oméricas com meu marido, já tentei explicar, argumentar, mostrar, mas não adianta. Usa muita água tratada para "tirar o grosso" da louça antes de ir para a lavadoura de louças. O plástico vai parar no lixo de material biodegadável, ou no de papel, enquanto que o biodegradável está sempre sendo colocado no lixo de vidro. E o isopor então?

Este, dependendo do dia (ou será da lua? já comecei a acreditar que lua interfere nas decisões dele, já que são aleatórias, risos) pode parar em qualquer lugar, até no lixo de folhas e grama.

Aliás este é um dos itens de nossos desntendimentos (e não me digam que as moçoilas casadas não se desentendem com seus maridos que eu não vou acreditar).

É como minha mãe diria: Isto é dar murros em ponta de faca.
Não desisto, insisto, persisto e reciclo. Ele que se cuide. Cada vez mais vai encontrar dentro de casa uma pessoa que quer ou tenta fazer as coisas da forma mais correta. Tenho certeza que alguém vai ler este post e entender o que estou dizendo.
E respondendo a minha mãe: Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.
__________________________________________________________________________________ Texto de Cristiane A. Fetter

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Métodos Educacionais

Vou falar um pouquinho do que ando lendo sobre métodos educacionais para escolher a escola das crianças. Aqui estou falando basicamente do que eu entendi de cada método. Caso eu tenha entendido errado, me perdoem e me corrijam.

Basicamente, temos (pelo que consegui pesquisar):

- O método tradicional: que todos estamos acostumados são divididos em séries, anos e e idades. Onde as carteiras são ordenadas em fileiras, a avaliação é feita através de provas e o professor é o detentor do conhecimento.

-O método construtivista: baseia-se na construção do conhecimento a partir de estímulos externos. Assim os professores são facilitadores do processo que acontece a partir dos alunos conforme respondem a esses estimulos, trabalhando essencialmente em grupos. Não encontrei nenhuma escola essencialmente construtivista. As escolas que se disseram construtivista, tinham claramente um (forte) misto com as escolas tradicionais.

-O método montessoriano: Pressupõem a compreensão das coisas a partir delas mesmas, tendo como função a estimular e desenvolver na criança, que se manifesta no trabalho espontâneo do intelecto (isso eu copiei de um artigo...rs...mas define bem a compreensão que eu tive do método). Encontrei duas escolas essencialmente montessorianas que usam os materiais do método e seguem a filosofia do mesmo preparando a criança para a transição para o método tradicional ao final do processo que depende da faixa etária atendida pela escola (pré-escola, ensino fundamental, etc).

- O método Waldorf: que se baseia na antroposofia, que estuda o conhecimentodo homem, da natureza e do universo que o cerca. Se baseia na harmonia física/espiritual na prática educacional estimulando que a busca das respostas seja feita pelo próprio indivíduo. Divide o aprendizado em setênios (0-7 anos, 07-14...) e no ensino fundamental (primeiro setênio) as crianças são estimuladas a brincar, interagir com materiais naturais. Não se usam livros ou computadores. Não existem muitas escolas Waldorf (30 ao todo no Brasil e uma pública em Nova Friburgo-RJ). Eu nem me aprofundei porque as do Rio são muito longe da minha casa. Acredito que seja um método extremamente interessante mas fico apreensiva, no restrito conhecimento que tenho a respeito do método, pois receio pela transição para o método tradicional que inevitavelmente terá que ser feita.

Por fim, encontrei escolas grandes e pequenas, caras e não tão caras, umas que eram enclausuradas entre muros, totalmente cimentadas. Outras, tinham espaço, outras grandes demais. Algumas tinham status, outras mais simples prezavam pela compreensão das necessidades das crianças e dos pais, outras que não prezavam nada disso...rs...muitas com excesso de informação visual, outras claras e arejadas, ordenadas e bagunçadas. Algumas tinham muitas atividades incluídas, em outras tudo é pago por fora. Na maioria delas encontrei hortas e pasmem, aulas de capoeira (digo pasmem porque eu adorei a novidade). Enfim, é um longo e árduo trabalho o de escolher uma boa escola ainda mais levando em consideração que não é algo que se deva trocar o tempo todo. Por isso uma escolha criteriosa é fundamental.

________________________________________________________________________________
Ana Cláudia Bessa

COMO DESCARTAR óleo de cozinha 3

Endereços de várias cidades: Rio, São Paulo, Curitiba, Florianópolis, etc... tem outras lá também você eencontra no link abaixo:

http://mercedeslorenzo.multiply.com/links/item/146

Em Niterói - RJ :

-Colégio Paulo Freire
Rua Paulo Freire, 336 - Engenho do Mato - Niterói - RJ Tel/Fax:(21)2609-8512

Empresas (Rio):

-Disque Óleo Vegetal : http://www.disqueoleo.com.br/


Leia mais:
Nossa série COMO DESCARTAR : http://ofuturodopresente.blogspot.com/search/label/Como%20descartar

Mais óleo de cozinha:
Óleo de Cozinha 1:http://ofuturodopresente.blogspot.com/2007/11/como-descartar-leo-de-cozinha.html
Óleo de Cozinha 2: http://ofuturodopresente.blogspot.com/2007/11/como-descartar-leo-de-cozinha-2.html

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Um dia, volta.

ACAMPAMENTOS

Pertenço a uma geração que preferia um bom acampamento a qualquer "balada". Falo daqueles acampamentos que já não se praticam hoje em dia. Praia deserta ou bosques ou platôs de montanhas; barraquinhas militares ou de escoteiros ou para-quedas improvisado; fogueirinha; arroz de tatuí, macarrão com salsicha, cachacinha com limão bravo...


Tão gostoso e tão importante foi isso para a minha vida que eu sonhava poder fazer com meus filhos. Claro que o esquema não poderia ser o mesmo. Assim que eles atingiram uma idade em que pudessem curtir esse tipo de atividade (a partir dos cinco anos, mais ou menos), nós começamos.

A praia deserta foi trocada por um camping com uma boa infra-estrutura, a barraca (tipo bangalô com quartos) e os demais apetrechos foram adquiridos e...voilá! Durante quase todo o período da infância deles o acampamento era o nosso programa de férias. Juntamente com um casal amigo (também pais de três filhos), TODO ANO, por volta do dia 21 ou 22 de dezembro nós arrumávamos as traquitanas e partíamos rumo ao litoral paulista.

Isso porque, após uma minunciosa pesquisa, descobrimos o local ideal: Praia de Itamambuca, Ubatuba. Um camping m a r a v i l h o s o, com toda a estrutura necessária aliada a uma localização fantástica, que reunia mata, mar e rio.

Nossa estada costumava se prolongar até a primeira ou segunda semana de janeiro, o que significa que boa parte dos natais e viradas-de-ano passávamos acampados. Lá nossos filhos foram, de fato, crianças. Se "esbaldaram". Aprenderam a conviver e amar a natureza, a nadar, pegar onda, pescar, pegar tatuí. Aprenderam também muito sobre serem sociais e solidários. Perguntem a qualquer um dos três hoje, o que significou para eles este período. O mínimo que eles dizem é que irão fazer a mesma coisa com os seus filhos. E o primeiro já está "encomendado". O mais novo "campista" chegará ao camping Terra em janeiro!

Obs 1: O camping de Itamambuca continua no mesmo lugar e, segundo informações recentes, tão bom ou melhor do que nos velhos tempos!

Obs 2: Prá quem nunca acampou, se quiser começar e tiver dúvidas ou receios, é só falar. Se eu puder ajudar...
_____________________________________________________________________________
Ivo Fontan

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

NÚMEROS

R$ 14 mil é a despesa por funcionário do Ministério Público da União.
R$ 12 mil é a despesa por funcionário do Judiciário.
R$ 10 mil é a despesa por funcionário do Legislativo.
R$ 4 mil é a despesa por funcionário do Executivo.
R$ 1,46 milhão gastos em salários das lideranças do Supremo Tribunal Federal.
R$ 18,5 milhões/mês em 2003 eram as despesas do gabinete pessoal do presidente ( valor estimado, pois é sigiloso...).
R$ 29 milhões foi o valor previsto para 2007.
R$ 223,1 milhões/ano com gabinete presidencial que sobem para 350 milhões este ano.
R$ 11.239,00 é o salário do presidente mas ele tem todas as despesas pagas pelo Tesouro Nacional.
R$ 4 milhões/ano com segurança presidencial que abrange os escritórios de SP e familiares em Florianópolis e Blumenau. (?)

Patrimônio

R$ 801,8 milhões/2006 gastos pela União com compra, aluguel e manutenção de veículos. O mesmo valor gasto em 2 anos nas estradas.
R$ 3,46 milhões por 70 Peugeots 307 sedan Feline para a cúpula da Procuradoria da República (frota substituída com apenas 1 ano de uso, era um Marea 2006).
R$ 5,4 milhões gastos nos últimos 3 anos com 37 carros importados para o STJ..
R$ 145 mil/veículo para nova compra já preparada de 10 novos carros modelo ômega Cd australiano.
R$ 2.340 reais pela troca da base do suporte do telefone do carro importado da chefia da Procuradoria-geral (um ômega Australiano importado 2005) fora os custos de motorista, manutenção, óleo, combustível que sai tudo do bolso da União).
R$ 555,7 milhões pelo custeio de passagens domésticas e internacionais pagos pelo Tesouro Nacional. Desse valor R$19,4 milhões é do Judiciário.
R$ 409 milhões/ano só com combustíveis.

R$ 118,9mil por 200 geladeiras, tipo frigobar, com mínimo de 120 litros, para TRT.
R$ 10,2mil por 34 microondas para o TST.
R$ 33mil/ano por cestas de frutas com 30 variedades pelo STF. No TSE, em duas sessões semanais são 8 tortas de camarão a bacalhau, biscoitos e bolos diversos e mousse de maracujá. No TST, consta no edital a condição essencial:“de primeira qualidade”.
R$ 3,439 mil por um pacote de instrumentos de acupuntura para o TST.
R$ 37,5 mil por contrato de ginástica laboral e gerenciamento de stress para a PGR.
R$ 6,8 mil é o valor gasto com o stress dos funcionários da presidência.
R$ 4,1 mil por uma poltrona giratória de massagem para Ministra do STJ.
R$ 849 reais por uma cadeira de maquiagem para mesma senhoura.
R$ 33 milhões com gastos de cartões de crédito, sendo R$ 4,9 milhões só da Secretaria de Administração da Presidência.
R$ 55 mil é o gasto mensal do cartão de crédito da primeira-dama.
R$ 64,8 milhões é a despesa já deste ano! O dobro do ano passado! E a maioria dos gastos é protegida por sigilo. Um senador, o Álvaro Dias-PR lidera um requerimento para liberação dessas informações, afinal o povo tem direito de saber onde é gasto o dinheiro público!
R$ 25,1 mil pagos por uma estante tipo Rack.
R$ 5,5 mil com compra de pedômetros que medem a quantidade de passos que uma pessoa dá (???!!!)

Sedes

R$ 75 milhões é o custo do prédio projetado por Oscar Niemeyer para a Procuradoria-Geral (o projeto inicial de 49 milhões está sob investigação por suspeita de irregularidades. E é no sub-solo deste prédio que os carros que citamos anteriormente passam a maior parte do tempo estacionados.
R$ 239,8 milhões em obras, instalações e projetos no Judiciário.
R$ 1,2 milhão previstos em gastos nos próximos 5 anos ( também no Judiciário).
R$ 202,9 milhões é o custo do novo Tribunal Superior do Trabalho.
R$ 350 milhões previstos para a nova sede do Conselho da Justiça Federal.
R$ 336,7 milhões previstos para a nova sede do Tribunal Superior Eleitoral.
R$ 489,8 milhões previstos para a nova sede do Tribunal Regional Federal.
(imagina o tamanho do desfalque quando tudo isso for executado).
350 m2 é o tamanho a que chega uma sala nestes prédios onde o conforto é maior a cada novo projeto!
650 m2 para a presidência do Conselho da Justiça Federal.
R$ 2,8 mil/m2 é o estimado para estes projetos!
Mas em MG a coisa piora um cadinho!
R$ 6,6 mil/m2 pela sede da Codemig (Cia. De Desenvolvimento ECONÔMICO de Minas Gerais)

e na Presidência...

2 mil funcionários é o existente no Palácio do Planalto, onde trabalha o presidente.
60 são os servidores à disposição do presidente no Palácio da Alvorada, residência oficial (que conta com 7 mil metros quadrados de construção, 400 mil de terreno, 6 suítes, sala de cinema e música, biblioteca de 150m2, academia, piscina olímpica aquecida, sauna com sala de massagem e adega para 2 mil garrafas. Fora a Granja do Torto para os finais de semana que tem as mesmas mordomias. E claro, manter tudo isso tem um custo!
A assessoria particular do presidente era composta por 68 pessoas, pulou para 149.
R$ 6 mil é o salário médio, fora o prestígio!

Mais salários

R$ 23.275 é o salário de 61 SUBprocuradores-gerais da República( e este número pode subir pois tramita um projeto para elevar este valor para R$25,725,00 – já aprovado em 3 comissões) rapindinho....
R$ 55 mil é o salário(-mor) de Antônio de Pádua Bertone Pereira, corregedor-geral do MP de SP.
Alguns salários chegam a R$35 mil e a maioria fica entre R$22 e 30 mil.
R$ 10,8 mil é o salário de um promotor em SP.
R$ 19 mil é o salário do promotor em TO. (um estado pobre se comparado a SP...)
R$ 15 mil é a cota mensal de auxílio-combustível para cada deputado. Parlamentares já trocam gasto com combustíveis por aluguel de aviões.
Auxílios que podem triplicar esses vencimentos:
-Auxílio-moradia
-Auxílio-alimentação
-Auxílio-vestimentas
-Carros de Luxo sem despesas para o funcionário
-Abonos
-Gratificações
Com tantos auxílios, um funcionário, que não quis se identificar, disse que os promotores nem precisavam de salários.
O procurador–geral Rodrigo César Rebelo Pinho enviou em 2006 projeto criando mais 202 cargos sem concurso. Mas foi suspenso mesmo depois de aprovado por ter sido considerado "inadequado".

O conselho não está interessado em cortar os super-salários e adia a votação por mais de 10 vezes.
Descontada a inflação, os salários do Ministério Público mais que dobraram nos últimos 10 anos (coisa de 114,7%).

Especialista afirma que a festa dos três poderes só vai acabar quando a sociedade fiscalizar através de ONG’s e pela imprensa. Se ninguém reclamar, eles vão mantendo a situação como está e até piorando, como podemos ver. Mostrando que os Tribunais e o Governo são ágeis para gastar, mas lentos para trabalhar!

Quantas vezes os vencimentos dos altos dirigentes do serviço público superam a renda médias dos cidadãos?
4,4 na Espanha / 4,5 no Estados Unidos / 7,7 na Argentina / 16 no Chile / 24,5 no Brasil

Fonte: MORDOMIAS: OS MALES DO BRASIL SÃO... série de reportagens do jornal O Globo

--------Desculpem o longo texto mas os números juntos impressionam!

Nós pagamos escolas particulares porque o governo não dá educação.

Nós pagamos plano de saúde porque o governo não dá hospitais.

Nós pagamos seguro de carro porque não temos segurança.

E ainda pagamos todos os impostos que SUPOSTAMENTE iriam para estes setores numa carga tributária pesadíssima onde há tributação sobre tributação.

E o Brasil precisa da CPMF?
CPMF é o C....aramba!

_____________________________________________________________________________

Ana Cláudia Bessa

ver: Imposto, Contribuição ou Enrolação?

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

O que eu posso fazer?

Muita gente fala mal dos Estados Unidos, acha que é o Império do Mal. Não posso brigar com estas pessoas, pois elas tem o direito de pensar assim, mas tomara que estejam embasadas em experiência e/ou informações.

Eu vivo aqui a quase 2 anos e posso dizer o que vejo e vivo. Mas por que será que todo mundo quer vir para cá tentar a América?

Porque aqui o brasileiro aprende a viver em um lugar ordenado e onde as leis funcionam muito bem, ele aprende o que é cidadania. Seus filhos tem direito a educação, alimento, lazer, segurança em uma escala muito maior que no Brasil.

É fácil? Não. Nem todos os brasileiros que vem para cá tem a sorte que eu tive. Fomos transferidos pela empresa de meu marido, ou seja temos retaguarda.
Os outros vem de forma ilegal "ralar" para fazer a vida.

Não gostam do frio, não gostam da lingua, a cultura é muito diferente (o americano é mais direto ao falar), mas este é um país que tem um caldeirão de raças impressionante.
Ah...mas vira e mexe aí tem um maluco que entra em um colégio e mata uns 30, ou então vem outro e joga um boeing em um prédio famoso, alguns vão dizer.
Claro que nenhum lugar do mundo é perfeito.

Mas aqui os brasileiros (e as vezes pessoas que só viveram lá mas tem outra nacionalidade) percebem que a estrutura está bem fundamentada e funcionando redondinho, tanto que quando conseguem chegar a um patamar financeiro confortável começam a sentir necessidade de fazer algo por aqueles que ficaram no Brasil.

Como? De tantas formas, que eu só vou falar algumas.
-Arrecadam roupas, sapatos e brinquedos e os enviam para orfanatos;
-Arrecadam alimentos, é isto mesmo, mandam comida daqui para as entidades que necessitam no Brasil;
-Enviam dinheiro para que parentes possam encaminhar para essas entidades;
-Ou mais, constroem eles mesmos instituições que acolhem crianças ou idosos necessitados. Olha que incrível, além de trabalhar muito para sí ou para família, conseguem mais tempo para fazer mais dinheiro e com isto poder oferecer um pouco do que eles tem aqui. Louvável!;
-Também são voluntários em várias instituições aqui;
-E quem tem mais tempo cria Ongs. Mas o mais importante é perceber que se pode fazer algo.
Trabalha-se muito, nada é de graça. Ganhamos em dólar e pagamos em dólar aqui.
Mas aprendemos o que é ter acesso e direitos e queremos compartilhar com quem não os tem no Brasil.

Este tipo de trabalho não é divulgado, aliás nem se quer isso, mas existe aqui um programa feito pela globo internacional chamado Planeta Brasil, ele é direcionado aos imigrantes brasileiros, e através dele conseguimos saber o que está acontecendo com outros brasileiros e como podemos nos engajar tanto nas festas (diversão) quanto nas formas de ajuda, além de saber outras coisas que roam na vida do imigrante.

Não estou querendo dizer com isso que no Brasil não existam pessoas assim, é claro que estão lá e trabalhando duro. O que quero dizer é que além de todas as dificuldades que se encontra para a adaptação em outro país, estas pessoas ainda conseguem ajudar seu próprio povo.

Isto é um bem que eles estão deixando para seus filhos.
Esta é uma forma de ver e viver uma vida cheia de desafios e de consciência que a gente sempre pode fazer algo por alguém. Aprendem que podem levar isso para sua terra natal.
Aprendem que esta é uma forma de melhorar o futuro. Como dizia a minha mãe: Faça o bem, sem olhar a quem!

Ah! que orgulho ser Brasileira!


__________________________________________________________________________________ Cristiane A. Fetter