sábado, 11 de agosto de 2007

Pessoas que fazem diferença no Mundo

Em 1988, Chico Mendes, seringueiro e líder sindical, cada vez mais ameaçado e perseguido, continua sua luta com o objetivo de denunciar a ação predatória contra a Floresta Amazônica e as ações violentas dos fazendeiros da região contra os trabalhadores.

E participa da realização de um grande sonho: a implantação das primeiras reservas extrativistas criadas no Estado do Acre e a desapropriação de um seringal.

A partir daí, agravam-se as ameaças de morte, como o próprio Chico chegou a denunciar várias vezes, chegando inclusive a apontar os nomes de seus prováveis assassinos.

“Não quero flores no meu enterro, pois sei que vão arrancá-las da floresta”.

No 3º Congresso Nacional da CUT, ele é eleito suplente da direção nacional da CUT, e volta a denunciar esta situação, que é a mesma: a violência criminosa contra os Povos da Floresta.

Em 22 de dezembro de 1988, Chico Mendes é assassinado na porta de sua casa.

Além de 18 perfurações no braço, ele fora atingido no peito direito por 42 grãos de chumbo de uma espingarda de caça. O autor confesso do disparo, Darci, era filho de Darli Alves da Silva, o fazendeiro mandante do crime.

Para saber mais sobre Chico Mendes:

www.chicomendes.org/

http://www.chicomendes.com.br/

http://portalliteral.terra.com.br/zuenir_ventura/por_ele_mesmo/artigos/02chico_mendes.shtml?porelemesmo


2 comentários:

Cristiane A. Fetter disse...

Sempre ter lutadores como este é que fazem qualquer luta valer a pena.

Ana Cláudia Bessa disse...

Uma pessoa que dá a p'ropria vida por seus ideais em prol da coletividade, abrindo mão até do direito que seus filhos tem de crescerem junto ao pai, para muitos é burrice. E são esses que roubam , matam, estorquem, praticam corrupção...

Para mim, é admirável. São essas pessoas que mudam o mundo, mesmo que demore.