quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

E SE O PLANETA ESTIVER... ESFRIANDO?! (II)

Curiosamente, quanto mais a idéia de que estamos em processo de "aquecimento global" toma forma e passa a fazer parte das preocupações do homem comum, paralelamente, cresce, no meio científico mundial, a antítese, ou seja, um número crescente de cientistas, das mais diversas áreas, defendem a idéia de que o homem não possui "poder" de alterar padrões planetários, a não ser em escala reduzida e em caráter muito restritos (micro-clima ou o padrão hidrológico de uma região específica, por exemplo).

Desta forma, resulta da ação do homem, por exemplo, enchentes no Rio, S. Paulo ou Cidade do México, mas nada tem a ver com sua ação o derretimento de geleiras na Noruega ou no Alaska. Na verdade não há consenso sequer sobre o tal "aquecimento", em que pese o fato de que o "derretimento" de regiões árticas e (menos) antárticas tem sido verificado em taxas inéditas (para a nossa ciência!).Existem muitos e respeitados estudiosos que atribuem os fenômenos hoje observados a algum destes "ciclos" por nós desconhecidos ou muito pouco conhecidos.

Poderíamos, por mais estranho que possa parecer aos leigos, estar nos primórdios de uma nova ERA GLACIAL, por exemplo! Sim, ao contrário do pensamento comum, uma glaciação não se inicia com resfriamento gradual e contínuo, mas sim com uma série de mudanças dos padrões climáticos que, circunstancialmente, pode envolver ELEVAÇÃO de temperaturas. De qualquer forma, se é este o caso, relaxemos, o processo completo não leva menos do que uns cento e cinquenta mil anos!!! E é reversível!!!

Há estudos ainda que (para deleite do meu velho mestre) contestam a relação entre camada de ozônio x emissão de CFC. Isso mesmo, e há ainda quem afirme que essa questão foi "plantada" por "Corporações" interessadas em colocar novos "propelentes" no mercado. Vocês duvidam? Eu não!

De minha parte, não possuo conhecimentos para tomar parte (ou partido) nessa fascinante discussão. De minha experiência como estudante de geociências restou apenas uma curiosidade, talvez um pouco acima da média, sobre estes assuntos, mas não uma formação profissional ou científica. Na condição de "passageiro desta nave" há mais de meio século, no entanto, reservo-me o direito de duvidar de TODAS as informações que me chegam através de (quase) qualquer meio. Não tenho ilusões quanto ao poder de manipulação, ganância e capacidade de mentir do ser humano. No fundo no fundo, tendo a concordar com as teses de meu velho professor, ou, ao menos, me aproximar mais delas do que de suas antíteses (as quais também não descarto, por via das dúvidas).

Nessa história toda só tenho realmente CONVICÇÃO de uma coisa: Alterando ou não padrões planetários, nosso modo de vida está fundamentalmente ERRADO. Ou mudamos o rumo ou o FUTURO que estamos construindo para nossos filhos será um mundo em que nós próprios DETESTARÍAMOS viver!

_____________________________________________________________________________
Ivo Fontan

8 comentários:

Cristiane Fetter disse...

Concorde em gênero, número e grau.

doc disse...

para cada um sua verdade...

será mesmo que a verdade está bem no fundo de um poço sem fundo?

Sonhos de Crochê disse...

Não tenho conhecimento científico para afirmar NADA ou quase nada. Mas, concordo contigo na questão de que nosso modo de vida está ERRADO!!!!!!!!!!! Já passou pela minha cabeça, num desses delírios que o aquecimento é um dos ciclos naturais da terra, já aconteceram mudanças antes, e sem o envolvimento do homem. Estás certo quando diz que não podemos descartar essa ou aquela teoria e que a ganância do ser humano pode ter criado essa versão dos acontecimentos (em materia de criatividade, para o mal somos seres imbatíveis). Portanto, o que nos resta fazer? Tentar, mas tentar muito, melhorar. Poluir menos, gastar os recursos naturais menos, ser menos egoísta, ter menos preguiça, e por aí vai... pode até não fazer grande diferença, mas vai estar melhor, tenho certeza.
Rita
Ah! A D O R E I ver meu nome na lista de agradecimentos. Eu é que agradeço, é maravilhoso encontrar pessoas preocupadas com nosso planeta, nosso estilo de vida. Pessoas que se importam em melhorar.
Vocês estão de parabens!!!!!!!

Aline Silva Dexheimer disse...

Olá...Eu estou na linha dos que acreditam que o planeta na realidade está esfriando...
Já escrevi sobre isso no Orkut...rs
Vou procurar o link...não me deixe esquecer...rs
Jà andei lendo bastante a respeito e por osmose (via marido mais entendido e atualizado..rs) conclui que o há muitas coisas obscuras no assunto...
Beijos,Aline

Ana Cláudia Bessa disse...

Eu também tenho receios das coisas que se divulgam não serem exatamente como parecem.
áí meus questionamentos ante as vacinas, os medicamentos, as metodologias educacionais...etc...
Eu estranho, por exemplo, que diante de tanto degelo, ainda não tenhamos de fato mudanças nos litorais que sejam significativas.
Ainda mais levanndo-se em conta que no jornal de ontem, se não me engano, li que em 2010 o ártico estará completamente "derretido".
E ai? Para onde foi toda aquela água que embora não seja gelo, ainda assim é bem gelada?
Doidera minha?

Anônimo disse...

O ser humano é tão vil que é difícil saber em quem acreditar diante dos interesses que sempre estão envolvidos.

Ivo Fontan disse...

Ana, nós não percebemos o derretimento do ártico nas linhas costeiras por uma razão simples: O polo ártico é MAR congelado. Por isso seu derretimento não altera o nível global dos oceanos.
Para nossa sorte (e até hoje ninguém explicou convincentemente o porquê), o polo antártico - que é gelo continental - não apresenta derretimento considerável (ultimamente tem apresentado até recordes de temperaturas negativas!). Pois o dia em que este polo começar a esquentar aí o "bicho vai pegar"!

Ana Cláudia Bessa disse...

Pois é...veja...se o ártico derrete e o antártico fica mais frio, então não é possível que haja relação?
É loucura pensar que essa água descongelada, mas ainda muito gelada, esteja se transferindo para outro lugar?
Seu derretimento facilitaria esta movimentação/transferência??

Por que caminhos? Sei lá eu...
Se não há explicações plausíveis dadas por cientistas, imagine por mim. Só estou conjecturando...