terça-feira, 15 de maio de 2007

CORTINA DE FUMAÇA - parte 1

Não sou especialista em Ciências Ambientais, mas não sou idiota.
Tenho uma capacidade razoavelmente boa de utilizar meus limitados conhecimentos, aliado à humildade de buscar as opiniões de quem sabe mais do que eu, para analisar as informações que me chegam e formar as minhas próprias opiniões. Não engrosso fileiras de histeria coletiva!

Como vocês sabem (se não sabem eu revelo agora), eu já estou por esse mundo há mais de meio século. Tempo suficiente para ter vivenciado uma meia dúzia de "ondas" de alerta de "catástrofe iminente" para o planeta.

Só para relembrar (ou informar aos que chegaram no mundo depois de mim):

- Na década de 60 o mundo estava prestes a ser destruído pela guerra nuclear entre as "superpotências". O apocalipse era inevitável.
- Na década de 70 o termo POLUIÇÃO saiu do jargão técnico e entrou no vocabulário popular. Claro que era esse o novo apocalipse que se avizinhava.
- Ainda nos anos 70, o fim das reservas petrolíferas estava bem próximo, trazendo consigo o colapso da civilização humana.
- Há bem pouco tempo, vocês lembram, a "invasão" dos TRANSGÊNICOS ocupou o imaginário apocalíptico da humanidade.
- Agora não se toma um chopinho num bar sem se ocupar a maior parte do bate-papo com o tema AQUECIMENTO GLOBAL.

Não me entendam mal. TODOS estes temas foram (e continuam sendo) absolutamente reais e relevantes.
A auto-destruição nuclear continua sendo uma possibilidade de desfecho para a história do HOMEM na Terra;
O PETRÓLEO ainda continua sendo um dos pilares que, se desmoronar, leva consigo o que chamamos de CIVILIZAÇÃO;
a POLUIÇÃO é o principal efeito colateral da atividade humana;
A TRANSGENIA precisa sim, ser cuidadosamente estudada, compreendida e controlada;
O AQUECIMENTO GLOBAL pode sim ser o apocalipse que tanto tememos.

O grande problema é que todos estes temas, via-de-regra, não são "trabalhados", sobretudo junto à população, de maneira real, clara e, me arrisco a afirmar, honesta!

Junto a fragmentos de informações verdadeiras, somos "entupidos" de outras,falaciosas, tendenciosas, alarmistas, equivocadas etc etc etc. com objetivos muitas vezes os mais mesquinhos que se possa (ou não se possa) imaginar.

Vou ser mais claro. Vou explicar, dando dados e fatos concretos, do que estou falando.
Vou revelar alguns fatos envolvendo RECICLAGEM; SEQUESTRO/NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO; DESMATAMENTO e QUEIMADAS.
Na próxima postagem...

_____________________________________________________
IVO FONTAN

3 comentários:

Ana Cláudia Bessa disse...

Ivo,

acho muito oportuno seu texto porque são questionamentos que acredito que todos nós temos que ter. Infelizmente, o que tenho visto, principalmente na internet são atitudes pseudo-"xiitas" de tudo o que se pode imaginar sem a busca do bom-senso.
Por exemplo, tenho me informado sobre o uso de fraldas de pano para substituir as descartáveis. Se por um lado estamos reduzindo o lixo e a contaminaçã causada pelos produtos contidos nas fraldas, por outro, estamos poluindo com detergentes de limpeza na lavagem, gasto de água - um recurso valoroso(pois as fraldas de pano precisam de pré-lavagem, molho e lavagem) e energia da máquina de lavar. Para passar não precisarei pois a fraldas que estou interessada não são as de antigamente. Logo, preciso ter bastante informação para não estar trocando 6 por meia-dúzia. Ou então, ter informação para escolher que mal eu quero fazer para o meio ambiente ou qual dos males é o menor.
Infelizmente, o que tem se visto são atitudes impensadas que simplesmente não somam ou até prejudizam a melhoria que se está buscando.
Gostei muito do seu enfoque.

Paulo José disse...

O que é silvicultura?

Lailla disse...

Eu fico perdidinha, cada lugar leio uma coisa diferente. Não sei realmente o que fazer para fazer a coisa certa.