sexta-feira, 27 de junho de 2008

O direito de fumar

Recebemos o seguinte comentário sobre nosso último post sobre fumo:

“Sou fumante, mais respeitos os não fumantes, só acho uma lei preconceituosa, pois se querem realmente acabar com fumantes, feche as fabricas, pois tem coisas que matam muitos mais que cigarro, o transito por exemplo, armas de fogo, bebidas alcoólicas , porque também não proíbem bebidas nos restaurante, ou limitem os bêbados , mais acabar com as fabricas de cigarro o estado o governo não quer, porque os impostos de cigarro da muito lucro para o governo, então que porcaria e essa de limitar quem fuma, se as próprias industrias de tabagismo continua ai. Para os inferno com esse lei.”

Normalmente eu comentaria lá mesmo, no espaço dedicado aos comentários, mas ele foi feito no link Fale com a Gente. E no final de semana, estivemos numa praça perto de casa que tem brinquedos de madeira ótimos, é bem cuidada, em local
tranqüilo e as crianças adoram.
Pois bem, chegando lá, eram tantos maços de cigarro pelo chão que tirei algumas fotos. O lugar super-bem cuidado, cheio de lixeiras para todos os gostos e tamanhos e um festival de maços de cigarro no chão, muitas vezes, quase ao lado da lixeira!

Isso não é preconceito, é constatação: muitos fumantes, só porque o local é aberto, fuma como se não houvesse crianças e ainda joga o maço vazio no chão!
A maioria dos fumantes é um ser sem limites: fuma onde quer, joga o lixo do seu prazer onde quer (maço e guimba no chão, fumaça fedorenta e contaminante em nossos pulmões, roupas e cabelos, etc) e limitar um hábito que suja, polui e prejudica a saúde de terceiros, é preconceito? Simples assim? Claro que não é.

Concordo que tem um monte de outras coisas que são erradas, mas um erro não justifica o outro. Cada qual tem que fazer a sua parte e respeitar o lugar dos outros no mundo para que o seu seja respeitado.

Falando nisso, coincidentemente, nosso amigo Luiz Guilherme Ourofino, que é advogado, acabou de ganhar uma causa a favor dos fumantes:
Tabacarias obtêm liminar permitindo que se fume em suas dependências.
Taí um contrasenso da lei: fumante não poder fumar em tabacaria porque é um local fechado. Achei super coerente, quem quer fumar dentro de uma tabacaria, deve ter esse direito. Eu que não fumo, que não entre lá. Segundo Guilherme, "A medida fere a Constituição federal no que diz respeito à livre iniciativa e ao exercício livre da atividade econômica dos estabelecimentos. E completa: Justamente por ser apreciador de charutos, corri atrás desse direito na Justiça."
Parabéns prá ele que foi coerente na sua alegação e ainda foi atrás de seus direitos. É o que todos nós temos que fazer.
Portanto amigos, não há preconceito na lei, há justiça com os não-fumantes que devem ter o direito a respirar tranqüilos sem ser incomodados ou contaminados pelos componentes danosos do cigarro. Assim como o Luiz Guilherme abriu precedentes para que os fumantes possam ter um local para fumar sem ser incomodados e sem incomodar ninguém.
Bom prá todo mundo.


















________________________________________________________________________________ Ana Cláudia Bessa

4 comentários:

matteo irma disse...

Oi Ana,
A ultima foto ficou excelente! Tem que pegar no pé mesmo, infelizmente é isso que a gente vê por aí.
Ah, acabei de postar sobre alimentos infantis e propaganda, de carona numa matéria da revista Crescer, bem interessante.
Beijo
Renata

Geova Costa disse...

Concordo totalmente com o que disse. As fotos são evidentes. Se os fumantes tivessem noção do quanto incomodam e educação para exercer os próprios limites, a lei não precisaria existir. Vejo pontas acesas de cigarro em todo canto, perigo uma criança se queimar ou tragar o resto do fumo. A maioria dos fumantes é inconsequente mesmo e quem não é paga pelo mal educado.

Lívia disse...

Oi, Ana. Acho que o que o remetente do e-mail quis discutir é o porque de tanta "perseguição" com o cigarro dos que não fumam mas praticamente nenhuma reação contra o álcool, por exemplo. Não fumo nem nunca fumei, odeio fumaça, mas concordo que o efeito do álcool pode ser muito pior para a sociedade. Mas, culturalmente, o álcool é muito mais aceito. Fora que a principal razão pra perseguição ao cigarro pelos governos é a questão da saúde pública, já que o cigarro normalmente gera doenças futuras, e não imediatas, tanto nos que consumem e os que não. Enquanto isso, o álcool afeta ao que não consome de maneira imediata, mas se vamos falar de estatísticas públicas, piores: a quantidade de acidentes ocasionados pelo excesso de álcool é incrível.

A grande crítica que eu entendo nesse e-mail é: tudo bem, você vai sentar em um bar e bater um papo tranqüilo sem o cigarro alheio te incomodando. Mas e quando você sair na rua, o que fazer com o risco de passar um bêbado e te atropelar?

beijos

thais disse...

Nossa, eu também morro de raiva! Eu levo as crianças ao parquinho sempre com uma sacolinha e fico catando lixo jogado. 90% é cigarro: ou bituca, ou maço vazio. Um saco! Uma falta de respeito sem fim!
Em Madri, nossa, não tinha lixo nenhum nas ruas. Mas cigarro!! Em qualquer lugar! E o pessoal fuma esfregando na sua cara, mesmo. Horrível. Já no Japão, o pessoal só pode fumar dentro do seu carro ou da sua casa. Mil vezes melhor. Se bem que tem bastante restaruante e tal que libera. Mas aí é só não entrar onde pode fumar. He he eh ehe

beijo,