sexta-feira, 11 de julho de 2008

Ler e trocar, é só começar.

Estou passando férias no Brasil, aliás já está quase na hora de voltar para a terra do Tio Sam. Como fiquei muito tempo por aqui, resolvi colocar meu filho em uma creche-escola para que ele sociabilizasse com outras crianças e praticasse o seu inglês. Sucesso absoluto, o menino já está falando pelos cutuvelos e falando carioquexxxxxxxxxxxxxxxx.

A minha sobrinha já frequenta esta escolinha a algum tempo (se você considerar que algum tempo para ela é desde 1 ano, já que hoje ela tem 4, risos), voltando ao papo sério. Foi por este motivo que o meu menino foi para lá, além das atividades que são oferecidas.

Porque nessa idade e não acho que o curriculo escolar deva ser acadêmico, mas, divertido. Não que não deva ter alguma aprendizado, mas nada que seja imposto, tipo dever de casa, tem que ser prazeroso, pois esta primeira impressão da escola vai ficar para sempre.

Lá ele também faz natação, capoeira, "aulinhas de inglês", yoga, tudo de uma forma leve, sem compromisso. Eles também aprendem sobre história do Brasil, de uma forma bem interessante. Os professores incentivam a que os próprios alunos criem uma história sobre os assuntos que foram abordados naquele dia e depois fazem um livrinho. É muito interessante.

Mas o ponto que mais me chamou a atenção foi o fato de agora no segundo semestre ser iniciado um trabalho de incentivo a leitura. Funciona assim: A escola vai indicar um livro para cada aluno comprar, depois disso cada um vai levar o seu livro para escola devidamente identificado com o nome do proprietário. Os livros serão apresentados na turma e então começará uma rodada de troca-troca de livros.

A intenção é que além do incentivo a leitura, os alunos aprendam que devem cuidar do material dos colegas, cuidar como se fosse o deles, já que os outros estarão fazendo o mesmo.

Achei bem enriquecedor este tipo de atitude da escola, matar dois coelhos com uma cajadada só, ou até mais.

É uma pena que não ficaremos aqui tempo suficiente para aproveitar todo o aprendizado, mas acho que vale a dica para outras escolas e para os pais também.

Para quem quiser conhecer a escola é só clicar aqui - Trelelê

Cristiane A. Fetter

4 comentários:

Ana Cláudia Bessa disse...

Cris, a escola do Giullio também está fazendo Eles pedem o dinheiro para os pais, e eles é que compram pois a escola é montessoriana e os livros tem que ser dentro da metodologia.

Toda semana vem uma pastinha com livro para os para os pais lerem para os filhos e devolver na segunda.

Bem, eu leio uma 500 vezes...risos...mas endoro porque ele é que pede. Sensacional, né?

ana b. disse...

ai, mas nossa classe mérdia logo vai se manifestar... um pouco mais pra frente, vcs vão ver...
comentei com a professora de português do meu filho, na época cursando o ginásio (entreguei minha idade!!! rs) q achava q a quantidade de livros prevista pro ano letivo era pequena, e ela se surpreendeu, pq muitos pais achavam justamente o contrário!!! escola de 1º linha, em sp, cerca de 5 anos atrás! duvido q tenha mudado, de lá pra cá, infelizmente.
de qq maneira, hábito de leitura é FUNDAMENTAL pra muitos aspectos da vida de nossos filhos, e além do apoio escolar, o q é importantíssimo é o NOSSO exemplo! então, muita leitura, sempre!!!
bjs
(fui muito "azeda" no comentário?)

Lola disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lola disse...

Aqui está difícil de encontrar boas escolas, pelo menos, para o ensino médio.

Tem uma lembrança para o Futuro do Presente lá "na minha casa".

Beijos.
PS: Deixei um comentário no Tô Doida, e tem uma lembrancinha para você também, Cris.