terça-feira, 8 de abril de 2008

As novas vacinas

Eu tenho o maior pé atrás com medicamento novo. Vacina, a mesma coisa.
Quanto mais nova a vacina ou medicamento, mais criteriosos devemos ser.
Eu vou encontrar um artigo que li onde ficou claro que os medicamentos são testados até certo ponto e depois são lançados no mercado, sem a plena certeza das reações e da segurança do uso dos mesmos. Ou seja, nós, usuários, provavelmente, somos feitos de cobaias e se você tiver qualquer problema, deixará de ser um ser humano para virar um número na estatística. Quem mandou a gente ser desinformado e acreditar em tudo o que falam sem questionar?

Por isso, me sinto exatamente como muitas pessoas : COM O PÉ ATRÁS e uma pulgona atrás da orelha.

Numa das oportunidades, em uma clínica particular, me foi oferecida uma novíssima vacina e eu não aceitei. Tempos depois, recebi a notícia que a “novíssima” vacina estava sendo retirada do mercado porque não estava “cobrindo” uma das doenças a que se propunha. Ou seja, a criança foi usada como cobaia, os pais pagaram mais pela vacina à toa e ainda estão pensando que o filho está imunizado, quando não está.

E eu não vi essa informação importante no intervalo da novela das nove em rede nacional!!! Quando deveria estar!

Não sou contra vacinas mas também me sinto mais tranqüila por saber que estou sendo mais criteriosa e questionadora quanto as informações que, provavelmente maquiadas, que chegam à mídia a respeito dos “benefícios” da vacinação.

Não podemos esquecer que a indústria farmacêutica lucra com a doença , não com a saúde. Vacinas são medicamentos vendidos, seja particular, seja para o governo. Quanto mais pânico na população, melhor. Remédio é produto e produto é marketing. Não podemos ser ingênuos de achar que nosso bem-estar e nossa saúde estão acima dos lucros dos acionistas. É o mesmo que dizer que os banqueiros nos emprestam dinheiro para “dar” aos pobres...

Já existem casos mostrando que as doenças estão ficando mais difíceis de ser tratadas porque bactérias e vírus estão ficando mais resistentes por causa do excesso de medicação. E isso inclui vacinas e antibióticos cada vez mais fortes sendo receitados indiscriminadamente pelos médicos.

Nós temos, sim, condições de questionar e definir com bom senso e seriedade o que é melhor para nossos filhos. No mínimo, temos condições de questionar previamente, mesmo que venhamos a concordar. Mas vacinar com consciência e informação. Nós somos os maiores culpados porque simplesmente acatamos tudo sem questionar.
Eu estou aprendendo!

Leia mais:
Mortes associadas à vacina de HPV sobem para 11 com 3779 reações adversas reportadas
http://www.freerepublic.com/focus/f-news/1907188/posts?page=23
Vacina contra a tuberculose - BCG
http://cva.ufrj.br/vacinas/tb-v.html
Tuberculose mata mesmo tendo tratamento desde a década de 40.
http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI1505125-EI298,00.html
Epidemia de tuberculose recua, mas bacilo resiste
http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI1500998-EI298,00.html
Quebrando o hábito de usar antibióticos
http://www.taps.org.br/Paginas/medartigo20.html
Bactérias (resistentes ou não a antibióticos) são a quinta maior causa de infecção hospitalar no Brasil
http://www.unifesp.br/comunicacao/jpta/ed142/pesqui1.htm
Superbactéria já resiste ao mais avançado antibiótico, o Linezolid
http://listas.cev.org.br/arquivos/html/cevgenetica/2003-04/msg00028.html
Suspensão da Hexavac pela Anvisa:
http://www7.anvisa.gov.br/divulga/noticias/2005/200905_nota.pdf
Notícia da suspensão da Vacina Hexavalente em Portugal
http://www.rtp.pt/index.php?article=197749&visual=16

5 comentários:

ana b. disse...

é a indústria da "culpa"!
todos temos q ser bonitos, magros, precavidos...
e o status de ter tomados tooodos os remédios ao alcance do seu bolso?
e o dar de ombros "eu fiz TUUDO ao meu alcance para a saúde do outro", sem se preocupar com os mecanismos que levam alguém a adoecer, sem querer realmente se dedicar ao outro, como se comprar saúde numa picadinha fosse possível?...
eu já li artigo relatando q as pessoas hoje tomam muito mais dias de antibiótico do q seria necessário,mas ninguém divulga isso, e muitas famílias têm q comprar DOIS potes de remédio, ao invés de um, "pq o doutô mandou".
eu não sei tudo, evidentemente, mas tb questiono muito! aqui em casa, tem dado certo!

Carla Beatriz disse...

Depois de ler textos, artigos e livro sobre a questão das vacinas, tomei uma atitude bem radical em relação à minha filha. ;-)

Ana Cláudia Bessa disse...

É meninas, temos realmente que ser muito criteriosas porque se deixarem, vão nos entupir de remédios e medicamentos. eu passsei por uma ontem que com certeza vai virar post.Logo eu conto.
Beijos!

paola oliveira disse...

É de preocupar mesmo....

Idéia Legal disse...

Não resisti e tive que comentar aqui também. A questão das vacinas é um caso a se pensar sim. Ainda mais quando se trata de crianças. eu já li que uma das causas prováveis do autismo é um metal pesado (mercúrio) existente nas vacinas infantis que se acumula no cérebro das crianças. Nos Estados Unidos esse tipo de componente já é proibido, mas no Brasil isso ainda não é realidade. Deixo o link para mais informações. http://www.autistas.org/mercurio.html