quarta-feira, 2 de abril de 2008

Você conhece todos os tipos de açúcar?

Criança muda mesmo a vida da gente.

Na minha tudo mudou. Minha forma de ver a vida, meus hábitos, minhas necessidades, minhas prioridades. E a alimentação também porque, se antes eu tinha cuidados em me alimentar bem, hoje isso nem se compara pois por conta das crianças a gente está sempre atrás de comidinhas saudáveis e acabamos incorporando esses mesmos alimentos na dieta dos adultos.

Agora me preocupo com os ingredientes como sal marinho, café orgânico e até com o tipo de panela (assunto que também merece um post embora ainda não tenha me dedicado de fato ao assunto, está no meio das minhas pautas). Sendo assim, segue um texto resumido e fácil de ler sobre os tipos de açúcar para que a gente possa entender e escolher aquele que achamos ser melhor para nossa alimentação.

Minha maior dificuldade, onde moro, é encontrar os produtos saudáveis e naturais porque não há regularidade. Um dia acho num mercado, volto lá e não tem mais. Aí, acho outra coisa em outro, depois não tem mais...

Mas pelo menos, lendo sobre o assunto, a gente fica apta para escolher, quando encontra.

Quais as diferenças entre açúcar cristal, refinado, demerara e mascavo?

Por Suzana Paquete (Márcia Teixeira, São Paulo, SP)

As principais diferenças aparecem no gosto, na cor e na composição nutricional de cada tipo.

A regra básica é a seguinte: quanto mais escuro é o açúcar, mais vitaminas e sais minerais ele tem, e mais perto do estado bruto ele está. A cor branca significa que o açúcar recebeu aditivos químicos no último processo da fabricação, o refinamento, que a gente explica direitinho no fim do texto. Apesar de esses aditivos deixarem o produto bonitão, eles também "roubam" a maioria dos nutrientes.

Só para dar um exemplo, em 100 gramas de um açúcar bem escuro, o mascavo, existem 85 miligramas de cálcio, 29 miligramas de magnésio, 22 miligramas de fósforo e 346 miligramas de potássio. Para comparar, na mesma quantidade de açúcar refinado, aquele tipo branco mais comum, a gente encontra no máximo 2 miligramas de cada um desses nutrientes.

A matéria-prima do nosso açúcar, você sabe, é a cana. Antes de chegar à nossa mesa, a planta passa por diversas etapas de fabricação. Primeiro, ela é moída para extrair o caldo doce. Depois, começa a purificação, em que o caldo é aquecido a 105 ºC e filtrado para barrar as impurezas. Em seguida, o caldo é evaporado, vira um xarope e segue para o cozimento, onde aparecem os cristais de açúcar que a gente conhece. Por último, os tipos mais brancos de açúcar ainda passam pelo refinamento, quando o produto recebe tratamentos químicos para melhorar seu gosto e seu aspecto. O resultado final é o açúcar em cristais, mas, se você moldar e comprimir os cristais com xarope de açúcar, dá para fabricar açúcar em torrões. Além da cana, há açúcar nas frutas e no milho (a frutose) e no leite (a lactose). A beterraba é outra fonte de açúcar, mas tem um processo de extração diferente. Ela é popular na Europa: como lá não tem cana, a beterraba entrou na dança.

Doces delícias

Tipos claros recebem tratamento químico e possuem menos nutrientes

DE CONFEITEIRO

Tem cristais tão finos que mais parece talco de bebê. Excelente para fazer glacês e coberturas. O segredo é o refinamento sofisticado, que inclui uma peneiragem para obter minicristais e a adição de amido de arroz, milho ou fosfato de cálcio para evitar que os minicristais se juntem novamente

ORGÂNICO

É diferente de todos os outros tipos porque não utiliza ingredientes artificiais em nenhuma etapa do ciclo de produção, do plantio à industrialização. O açúcar orgânico é mais caro, mais grosso e mais escuro que o refinado, mas tem o mesmo poder adoçante


LIGHT

Surge da combinação do açúcar refinado com adoçantes artificiais, como o aspartame, o ciclamato e a sacarina, que quadruplicam o poder de adoçar. Um cafezinho só precisa de 2 gramas de açúcar light para ficar doce, contra 6 gramas de açúcar comum. Por isso, quem consome açúcar light ingere menos calorias


LÍQUIDO

É obtido pela dissolução do açúcar refinado em água. Usado em bebidas gasosas, balas e doces, o açúcar líquido não é vendido em supermercados. Uma das vantagens é que ele não precisa ser estocado em sacos, diminuindo os riscos de contaminação com poeira ou microorganismos


FRUTOSE

É o açúcar extraído das frutas e do milho. Sem precisar de nenhum aditivo, a frutose é cerca de 30% mais doce que o açúcar comum, mas ela engorda sem oferecer uma vitaminazinha sequer. A maior parte da frutose vendida no Brasil é importada e tem preços meio amargos


REFINADO

Também conhecido como açúcar branco, é o açúcar mais comum nos supermercados. No refinamento, aditivos químicos como o enxofre tornam o produto branco e delicioso. O lado ruim é que esse processo retira vitaminas e sais minerais, deixando apenas as "calorias vazias" (sem nutrientes)

MASCAVO

É o açúcar bruto, escuro e úmido, extraído depois do cozimento do caldo de cana. Como o açúcar mascavo não passa pela etapa de refinamento, ele conserva o cálcio, o ferro e os sais minerais. Mas seu gosto, bem parecido com o do caldo de cana, desagrada a algumas pessoas

CRISTAL

É o açúcar com cristais grandes e transparentes, difíceis de serem dissolvidos em água. Depois do cozimento, ele passa apenas por um refinamento leve, que retira "só" 90% dos sais minerais. Por ser econômico e render bastante, o açúcar cristal sempre aparece nas receitas de bolos e doces


DEMERARA

Também usado no preparo de doces, esse açúcar de nome estranho é um dos tipos mais caros. Ele passa por um refinamento leve e não recebe nenhum aditivo químico. Por isso, seus grãos são marrom-claros e têm valores nutricionais altos, parecidos com os do açúcar mascavo


Fonte:Publicado na Edição 36 - 02/2005
http://mundoestranho.abril.com.br/edicoes/36/ambiente/conteudo_mundo_60688.shtml

_____________________________________________________________________________

Ana Cláudia Bessa

9 comentários:

Silvia D. Schiros disse...

Ana, e aí, qual foi a TUA conclusão? ;-)

Aqui em casa, ficamos no açúcar mascavo e no mel, procurando evitar o uso de ambos, afinal doçura demais não faz bem mesmo.

A Pat Feldman, lá do Crianças na Cozinha, não usa nenhum tipo de açúcar, no máximo rapadura ou mel, que ela afirma serem mais saudáveis.

Sobre a compra de produtos orgânicos/naturais, isso mereceria um post à parte, né? Porque eu procuro esses produtos, sim, mas vivo me perguntando: será que é natural/orgânico de verdade ou será que estou levando gato por lebre?

Ana Cláudia Bessa disse...

Hehehe...Silvia, por isso eu gosto de você...não é que realmente eu deveria ter colocado isso no meu texto...risos...

Por escolha seria o Demerara. Por que? Porque ele tem valores nutricionais altos e recebe o refinamento leve que retira, provavelmente seus corantes naturais (caso do açúcar mascavo). Esse corantes naturais, embora naturais, já estudei, são cancerígenos, embora, em pequeniníssima quantidade, mas são.

Pelamordedeus, ninguém fiquei apavorado porque ninguém vai morrer de câncer por causa disso.
Eu apenas optei por evitar mas não acho que vou comer açúcar mascavo e morrer de câncer, pelamordedeus!

E provavelmente também, são esses corantes que deixam o sabor "amargado" do açúcar mascavo que desagrada muita gente.

Contudo, é difícil achar açúcar demerara ou qualquer outro por aqui, exceto o (arghhhh) refinado.
Sendo assim, como aqui somos todos (mau) acostumados com doce, optei pelo cristal, que, acredite, nem sempre encontro.
Imagine o resto!

Carla Beatriz disse...

Aqui em casa, eu NUNCA compro açúcar refinado. É sempre açúcar cristal, demerara ou mascavo. As crianças já estão acostumadas ao açúcar mascavo e nunca reclamaram do sabor. Pelo contrário, minha filha adora banana amassada com açúcar mascavo. ;-)

Beijos

Adriana disse...

Oi Ana!

Gostei do post. Aprendi um pouco mais sobre o açúcar. Nossa, tenho pavor ao refinado!! Gosto mais do mascavo. Em relação aos adoçantes, fico com o stevia.

Bjos!! ;)

Cristiane Fetter disse...

Sabe que eu nunca tinha pensado nisso?

Ana Cláudia Bessa disse...

É, Cris...
Hoje uma vizinha me falou que ouviu que devemos comer um inhame por dia par prevenir dengue hemorrágica.

Me lembrei de um texto que li, acho que do Erico Veríssimo falando de quanta coisa temos que fazer...

Não comer açúcar, comer um inhame, tomar um cálice de vinho, 2 litros de água, dormir oito hora por noite e segundo já li, o melão é o melhor amigo da mulher. Todas deviam comer!

Quanto ao adoçante, Adriana, eu não recomendo nenhum!
Inclusive recebi um texto recente falando que eles tem menos calorias mas em compensação estimulam o apetite! Ou seja, zero a zero! Não adianta e até piora a obesidade.

E os gatos por lebre dos produtos orgânicos, sem gorduras trans, e as empresas eco-conscientes sustentávelmente ecológicas, eu também tenho minhas dúvidas, Silvia....

Ê dilema esse nosso que é a alimentação...né Carla?

Silvia D. Schiros disse...

Sobre o inhame: comprei um estoque esta semana na feira. (risos) A Sonia Hirsch disponibiliza, gratuitamente, o livro "Inhame, Inhame" no site dela (www.correcotia.com.br). Tem dicas e receitas.

O problema é fazer as crianças comerem inhame. Eu acho gostoso, como até puro. Para elas, testei os bolinhos de inhame (mas eu não faço fritura, então fiz no forno; e não deu certo com cebola, alho e cebolinha, eu achei delicioso, mas elas não gostaram, tive que fazer meio que à milanesa, no forno, aí elas comeram); inhame no feijão, amassado no meio, também vai. Vou ver se hoje consigo experimentar a receita de pizza de inhame. Vou usar o inhame para fazer a massa e depois montar e assar a pizza da forma tradicional. Tomara que dê Ibope!

Ana Cláudia Bessa disse...

Olha o que a Cynthia Rosenburg do blog Empresa Verde http://www.empresaverde.globolog.com.br/#495562 escreveu sobre as empresas anunciarem estratégias sustentáveis.

De fato ainda não dá prá confiar nos "produtos verdes".
Desabafo

Há vários temas recorrentes nas conversas que tenho sobre sustentabilidade com executivos, consultores e especialistas no assunto. Um deles é: as empresas realmente levam essa questão a sério? Ela é tratada de maneira estratégica (leia-se: influencia a maneira como a empresa faz negócios) ou é simplesmente vista como uma oportunidade para fazer marketing e ficar bem na foto?

Essas perguntas apareceram, mais uma vez, numa conversa recente com um consultor da área (um dos melhores no país, é bom dizer). Ouvi dele o seguinte desabafo:

“A sustentabilidade, sem dúvida, vem ganhando espaço, mas continua difícil vender projetos realmente estratégicos para as empresas. Muitas vezes, apresentamos uma proposta e ouvimos a seguinte resposta: será que vocês não podem dar um desconto de 15%? Ou então: não temos verba para tudo isso que vocês propõem, será que não podemos fazer apenas uma parte do trabalho? O curioso é que, freqüentemente, a mesma empresa que não quer pagar por uma consultoria estratégica gasta mais de R$ 100 mil para fazer seu relatório de sustentabilidade ou para colocar anúncios dizendo que é socialmente responsável nos jornais.”

Em outras palavras: segundo esse consultor, o dinheiro, na maioria dos casos, ainda vai para a comunicação – e não para promover mudanças reais no negócio.

(Cynthia Rosenburg)
http://www.empresaverde.globolog.com.br/#495562

*¨*Ellaehcarioca*¨* disse...

Nossa!Não sabia que existiam tantos tipos de açúcar!Eu não uso nenhum,me acostumei assim há muitos anos justamente pelos malefícios do açúcar refinado,mas vou mostrar essa matéria pra 'formigas' aqui de casa. Usam açúcar por eles e por mim, rs.

Achei todo o blog muito útil!Parabéns!Bjs:)