sábado, 22 de setembro de 2007

AVIAO X PONTE

Muitos souberam da tragédia que aconteceu com a ponte sobre o rio Mississipi (ela desabou junto com inúmeros carros que lá se encontravam), entre as cidades de Minneapolis e Saint Paul, nos Estados Unidos, e mais ainda souberam sobre a tragédia da Tam.

Qual é a principal diferença neste caso? Alguns irão dizer que foi a quantidade de pessoas envolvidas, outros vão dizer que não dá nem para comparar países tão diferentes.

Eu penso assim: a grande diferença foi a atitude tomada pelo governo, principal responsável pelas pontes nos Estados Unidos, que foi o de inspecionair mais de 700 pontes que estão em condições iguais ou piores que a que desabou (e eu posso dizer uma coisa, aqui tudo sempre tem manutenção, não existe um dia em que eu saia de casa e não encontre alguma equipe cuidando, ou consertando algo);
Em Washington já foi fechada uma ponte que seria derrubada em 2 meses para a construção de outra, eliminando assim o risco de outra tragédia;
O Governo/Presidente assumiu toda a culpa.

Porque o poder público se preocupa tanto em resolver logo os problemas desta forma? Porque aqui eles são eleitos por quem se predispõe a votar. Ninguém é obrigado a sair de sua casa e votar com pena de pagar multa ou perder alguns direitos caso não realize esta obrigação. Então quem está no poder tem que mostrar serviço, ou não será reeleito, ponto final.

E o que aconteceu com o acidente da TAM? vou mais longe, o que aconteceu com o acidente da GOL?
Ninguém quis assumir nada;
O cáos aéreo foi instalado (ou finalmente assumido) no Brasil;
Muitas famílias ainda não tem um laudo conclusivo sobre o acidente (talvez nunca tenham), ou terão por interesse das empresas aéreas em mostrar que seus aviões não foram os causadores;
O Governo/Presidente disse não saber que o problema era tão grande, cortou algumas cabeças e agora estão segurando uma batata quente. De novo!

O problema com a ponte nos Estados Unidos não vai deixar de trazer turistas para o país, nem vai diminuir as viagens de automóveis entre outras coisas. Mas o acidente com o avião da TAM e os problemas nos aeroportos o que irá trazer para o Brasil?
Turistas irão desistir de viajar para lá (vamos falar a verdade, o Brasil não é o único lugar do mundo que tem praias paradisíacas, e também não é o única que tem um povo simpático e receptivo, além do que ele é bem distante de quem vem da Europa e America do Norte)
Brasileiros irão desistir de viajar;
Brasileiros trocarão o avião pelos ônibus e carros (aliás é o que já está acontecendo), fazendo com isto que o número de acidentes de trânsito aumente bem como de óbitos, um assunto que ninguém toca, são mais de 30 mil mortes por ano em todo o Brasil (vamos falar de malha rodoviária em outro post).

Os Brasileiros só perdem. Claro ainda existe a esperança de que estas mortes não tenham sido em vão. Quem sabe replanejamento da malha áerea (algumas atitudes já foram tomadas), a melhor distribuição de vôos e conexões pelos outros aeroportos do Brasil realmente saia do papel e consiga ajudar em alguma coisa.
Nosso país pode viver de turismo, e viver muito bem. Temos todas as ferramentas para que isto traga muita riqueza para terras brazucas, mas problemas assim só vem a atrapalhar este segmento.

Vou ser sincera, estou com medo de voltar ao Brasil.
E o mais engraçado é que muito antes destes acidentes eu só viajava entrando no Brasil pelo Rio de Janeiro (que é o meu destino final), nunca gostei muito de fazer conexão em Guarulhos. Eu faço conexão dentro dos Estados Unidos mesmo.
Estão vendo, se eu que sou brasileira estou com receio imagine os outros então?.

Vamos acompanhar o desenrolar deste problema aeroviário.

Vamos ter experanças que alguma coisa vai mudar, e para melhor.

__________________________________________________________________________________ Texto de Cristiane A. Fetter

7 comentários:

Ivo Fontan disse...

Cristiane, tenho um amigo, técnico altamente especializado, trabalhando quase 30 anos na manutenção da "falecida" VARIG, que sempre foi um radical defensor da segurança do transporte aéreo. Ele sabia o que falava.
Encontrando este amigo há pouco tempo (já devidamente DEMITIDO pelos novos "donos"), ele me disse que não TINHA MAIS CORAGEM DE VOAR. Segundo ele a manutenção hoje em dia está "mais para ônibus do que para aeronaves!!!"
Ele sabe o que fala.
Eu, por via das dúvidas, mesmo já tendo voado em quase todo o tipo de aeronave, tendo inclusive sido para-quedista, NÃO ANDO MAIS DE AVIÃO!

Cristiane A. Fetter disse...

É isso aí Ivo, o que voce disse vem justamente corroborar o que eu comentei. Seu amigo que estava lá dentro, sabia dos não anda mais de avião.
Nós pobres mortais, que ignoramos tudo que acontece, já ficamos com medo. No meu caso então nem se fala.
Só perdemos.
É uma pena, pois não podemos negar que este instrumento de locomoção é fantástico.
Mas enquanto as diretrizes não mudarem vai continuar esta esculhambação.
Muita gente reclamou da solicitação que o ministro da defesa Nelson Jobim fez de se aumentar os espaços entre as cadeiras dentro da aeronave.
Ele está certo de reclamar: é o espaço, é o ar que se respira, é a acomodação de bagagem, é o melhor atendimento por parte das empresas aéreas, é ter mais segurança e por aí vai.
A manutenção das aeronaves é dever de casa e não mais um serviço prestado pelas empresas de aviação.
Vamos ver como vai ficar esta novela.
Vamos ser o Jobim vai ter pulso firme.
Vamos ver.

Ana Cláudia Bessa disse...

Sei lá...gente...
Quantos acidentes de avião chegariam aos pés do que acontecem em nossas estradas?
Nosso trânsito mata muito mais do que avião.
O Fabio também tem preferido viajar de carro porque ele sabe a manutenção do carro a quantas anda...
Mas a segurança dele na estrada não depende só disso: ele está na mão do governo, da polícia, dos outros motoristas.
Sinto que nós, "pobre mortais", somos meio patéticos no que se refere ao nosso instinto de proteção.
Se compararmos as estatísticas, os números, ter medo de voar, deve ser o mesmo medo que nos acomete e nos faz correr para uma fila para ser vacinado por causa de um "surto" de 70 casos de tuberculose. 70 casos frente a uma população inteira não é nada e vacinar não resolve: o que resolve é dar assistència básica, saneamento, dignidade, isso dá saúde. Com a aviação é o mesmo, não adianta parar de andar de avião porque andar de carro é mais arriscado ainda. O que adianta é cobrar soluções, e é aí que a gente tá muito mal parado....

Silvia D. Schiros disse...

Cristiane, meu marido (que é piloto), no dia do acidente da TAM, estava passando em Londres, e uma funcionária da alfândega de lá falou: "Nossa, tá perigoso voar no Brasil, né? Eu estava pensando em passar as férias lá, mas já estou desistindo..."

E você tocou num ponto que poderia ser explorado exaustivamente, eu acho: o voto não ser um direito, mas sim uma obrigação. Tá errado, muito errado. Mas não adianta o voto virar um direito de fato, como aí nos EUA, e continuarem fechando os olhos para a compra de votos por uns trocados ou uma cesta básica, prática muito comum entre as populações mais necessitadas aqui no Brasil.

Menina, é triste, mas temos um loooongo e tenebroso caminho pela frente.

Cristiane A. Fetter disse...

É isso mesmo Sílvia, longo e tenebroso caminho, mas a gente começa com os pesquenos em casa.
Quando eles chegarem na nossa idade vai ser mais fácil.
Mas o negócio é a gente não desistir.
Abraços

Geo disse...

Acho que precisamos melhorar nossos aeroportos, nossas estradas e começar a tomar responsabilidade dos atos, mas não vejo esse CAOS aéreo que a GLOBO fez questão de colocar nem acho que o governo agiu mal. Viajo sempre e tenho viajado bem, dentro do horário previsto, sem nenhum problema nas aeronaves. Lula inspecionou os aeroportos e liberou verbas para manutenção (coisa que os outros governos não fizeram). É mais fácil criticar do que agir. Precisamos parar de criticar o governo e de acreditar em tudo o que a Globo planta na mídia. Se quisermos um país melhor, temos que ajudar mais e criticar menos. De preferência morando aqui pra saber o quanto estamos melhorando.

Ana Cláudia Bessa disse...

Não sei se estamos melhorando não....
Tem tanta "maquiagem" por aí...