sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Poluição eco-consciente?

Até procurando ter atos sustentáveis no nosso dia-a-dia a gente polui.

Fui plantar árvores e mudas e foi um festival de caixotes de madeira, sacos plásticos pequenos (das mudas), recipientes grandes de plásticos (das mudas de árvore), barbantes, sacos de terra, sacos de adubo...enfim...
Uma gama de materiais que, em parte poderiam ser devolvidos ao fornecedor para serem reutilizados em outras mudas e plantas e que vão diretamente para o lixo.

Descobri que o mercado entrega minhas compras em casa e por isso, não usa sacolas plásticas. Ótimo.
Mas ele vai de carro até minha casa e eu, que fui ao mercado e voltei para casa sem as compras, poderia ter economizado uma viagem de emissão de gases no ar. Porém, com sacolas.

Já em casa, no lugar das sacolas, recebi caixas de papelão que não tenho como usar e eles não recebem de volta porque usam dos produtos que compram e sobra caixa por lá.

Para levar meu lixo até o eco-posto perto de minha casa, emito gases.

Para economizar água ligando e desligando o chuveiro, gasto energia (seja elétrica ou gás).

E para trocar tudo por equipamentos mais modernos e econômicos, jogamos no lixo, ou lançamos no mercado, ou consumimos a mais, uma série de chuveiros, aquecedores a gás, freezeres, geladeiras, televisores.
Até sem querer, a gente polui. A velha matemática que não fecha.

Eu descobri uma forma de minimizar o uso de sacolas plásticas deixando muma sacola retornável no carro e uma caixa plástica multiuso desmontável que eu tinha em casa.

Daí peço ao embalador do supermercado que não embale (exceto carnes) os produtos, que coloque no carrinho e eu coloco no carro.

Tem dado muito certo.


E você, já poluiu hoje?

__________________________________________________________________________________ Texto de Ana Cláudia Bessa

10 comentários:

Silvia D. Schiros disse...

Ana, você conhece o projeto do americano Colin Beaver, o No Impact Man?

http://www.noimpactman.typepad.com/blog/

Ele diz que viver sem causar nenhum impacto é impossível, então a proposta dele é que a gente fique no zero a zero. A fórmula que ele defende é "impacto negativo + impacto positivo = impacto zero".

Cristiane A. Fetter disse...

Já poluí hoje sim. Acendi minhas luzes, escovei os dentes, tomei banho com aquecimento a gas. Fiz meu café, comi requeijao que vem em embalagem plastica.
Vi o bom dia Brasil na televisao que usa energia elétrica e agora estou no computador.
Não tem jeito, qualquer ato que façamos polui ou utiliza algum meio que polua.
A proposta do americano Colin é a mais acertada que eu vi até agora.
Vamos ver...

Sonhos de Crochê disse...

Claro que poluí, mas fiz o mínimo possível. Até por que não quero carregar sentimento de culpa. Estou me acostumando a desligar a TV na tomada, Meus banhos da manhã são super rápidos, digo que é só para acordar. Deixo para demorar mais um pouco com o da noite, qaundo chego do trabalho, este eu digo que é o da limpeza, de tirar a poeira, lavar cabelo, etc. Também faço compras num mercado que não dá sacolas. Nós é que levamos as nossas próprias. Então faz meses que o pouco de sacolas que entra aquí em casa é para acondicionar o lixo que por sinal dimimuiu muito, depois que passamos a separar e entregar ao vendedor de água (que desconta o valor do reciclável da água).
Estou tentando minimizar o estrago!
Beijos
Rita

Mercedes disse...

Já poluí hoje sim... acho que a gente já acorda poluindo (risos)
Mas o texto é ótimo para refletir e fazer escolhas - a todo momento temos que nos decidir pelo que é menos impactante, não é?
Eu também peço ao mercado que entregue minhas compras sem as sacolas de plástico, e faço essas compras pela internet para não precisar ir até lá. As coisas menores, verduras e frutas, eu faço pessoalmente, levando sacola retornável. Eles fazem a entrega dos produtos em engradados plásticos retornáveis: chegam em casa, colocam os produtos no balcão da cozinha e levam de volta o engradado. Quem sabe se você escrever ao "ombudsman" do mercado sugerindo esse procedimento?
Beijos e parabéns pelo texto.

Ana Cláudia Bessa disse...

Pois é amiga.
eu senti vontade de escrever isso porque acredito que o primeiro passo é estarmos conscientes dos danos que causamos diariamente.

Reduzir é a palavra de ordem.

Reduzir gastos, reduzir consumo, reduzir lixo...

Quanto ao ombudsman...rs...acredite, não tenho nenhum grande mercado perto de casa. Mercados regionais que ainda estão no tempo das cavernas em termos de atendimento ao cliente.
e eu falar em ombudsman, vão pensar que é doença contagiosa, capaz de me prender...

Samantha Shiraishi disse...

Ana Claudia
eu lembro desta matéria da Epoca... me deixou desanimada, sabe?
Mas a idéia das caixas plasticas é boa... no entanto, mudar a cultura familiar não é fácil. Há um local que recebe lixo a duas quadras de casa, nem precisa de carro, mas não consigo tempo para "fiscalizar" a empregada, que não admite separar o lixo. Que dificuldade!
Mas mudando de assunto: ontem indiquei o blog de vocês para o prêmio Blog Solidário. Agora é indicar 7 outros e passar para frente.
Abraços e boa semana.

Ana Cláudia Bessa disse...

Samantha,

Mudar velhos hábitos é uma luta: seja com a empregada, com o marido, com a família...
Sou um ET, do empacotador do supermercado ao atendente da locadora que insiste que eu leve a bolsinha sendo que prefiro colocar o DVD dentro da minha própria bolsa...
Separar o lixo exige paciência...
Eu confesso que estou tendo que ser quase um monge tibetano mas tento me manter paciente...
brinco muito com ela falando que quando ela estiver bem velhinha e a separação do lixo for normal e todo mundo fizer, ela vai lembrar de mim e falar (já completamente sem dentes de tão velhinha) que há 80 anos atrás, ela já fazia coleta seletiva na minha casa...que me achava uma chata...mas que no fim acabou sendo como eu dizia ...etc...etc...etc....

Qualquer dia entro na aula de yoga...rs

outro dia briguei no supermercado pois a caixa falou que era norma do mercado e que EU TINHA QUE LEVAR AS COMPRAS NA SACOLA...

Juro...tirei uma por uma no balcão e devolvi para ela.
pena que meu celular não tem cãmera...ahahahaha

Ana Cláudia Bessa disse...

Sobre a indicação, só posso agradecer vc ter lembrado da gente. Fui no seu blog e descobri que não entendo nada de blogosfera...rs...
Sou uma blogueira mais do que amadora, fala sério!

Não sei nem o que é Meme...rs...

Tadinha de mim se tenho competência para indicar alguém neste monte de informação que vc postou sobre o blogmundodemeudeus...

Mas vou achar um tempinho e entrar em um por um para tentar aprender um pouquinho...rs...
Deus me dê tempo..aliás, dia, porque noite adentro eu já ando entrando...hehehe

Luz Fernández disse...

Olá Ana,
Realmente é impossível viver sem emitir gases de efeito estufa. Até porque respirando emitimos CO2.

O que vale é refletir e pensar em alternativas para causarmos menos impacto.

Quanto às sacolas retornáveis, usava as de feira desde sempre. Como muitos em grupos de discussão e comunidades começaram a perguntar onde comprar, resolvi contribuir confeccionando as minhas.

Estão lá no meu blog, pode ver. Que a idéia inspire outros tb.

Saudações,

Luz
http://carbonozero.blogspot.com

Ana Cláudia Bessa disse...

Sua sacolas além de úteis são lindas!

Eu, com o uso das sacolas, já consegui CONSUMO ZERO DE SACOLAS PLÁSTICAS!

Fiquei muito feliz, foi uma vitória pois precisei de tempo e dedicação para incorporar o hábito de levar minha sacola para o mercado!