quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Ações tornam-se hábitos

"Pensamentos tornam-se ações, ações tornam-se hábitos, hábitos tornam-se caráter, e nosso caráter torna-se nosso destino"(autor desconhecido)

Essa frase me deu vontade de escrever sobre um hábito adquirido há muito tempo: não usar óleo de soja.
Eu não uso há anos. Mesmo pagando mais caro por outros tipos de óleo, foi um hábito que adquiri que não tenho mais essa crítica quanto ao preço.
Acredito que essa seria uma dica para nós quando pensamos nos alimentos orgânicos: se começarmos a comprar um tipo de cada vez, incorporando isso aos nossos hábitos, não faremos mais a distinção por causa do preço.
A mesma coisa com o sal, só uso sal refinado iodado quando não tenho opção, pois muitos mercados ainda não têm um estoque regular de sal marinho. Inclusive, nossa comida cotidiana é com bem pouco sal, o que me fez gostar cada dia mais e me acostumar com a ausência deste tempero.
Pretendo começar agora com o café, passarei a consumir o orgânico. Outro produto também que nem sempre encontro. Mas com a boa notícia que já encontrei uma marca famosa investindo neste mercado.
Concorrência é sempre um benefício para nós, consumidores.

Fazemos muito suco de laranja e maracujá naturais. Ou então, compramos suco de caju em garrafa de uma marca alternativa que sabemos ser de excelente qualidade. Assim não ficamos reféns das grandes marcas (e olha que quem vos fala é ex-funcionária da empresa que fabrica, entre outros produtos, a famosa marca de sucos em garrafa).
Refrigerante, praticamente abolido do nosso dia-a-dia. Só consumimos em dias de festa e as crianças não têm hábito de tomar. Embora não seja proibido.

Copo descartável na rua, praticamente não usamos. Em geral pedimos copos de vidro (claro que em lugares adequados) e o copo das crianças está sempre na bolsa.

Lixo, trazemos conosco no carro porque sei que o nosso lixo será destinado à reciclagem. Então por exemplo, sacos de papel, latas e tudo o que for possível manter comigo depois no nosso cnsumo, nós mantemos e jogamos no lixo da nossa casa.

Claro que tudo isso feito com higiene e critério. Afinal, temos bom senso...

Aliás, essa é uma arma que sempre usamos quando alguém quer discutir algo conosco, do qual não dominamos: não somos especialistas, mas temos bom senso.

É como diz os ditados: "é o hábito que faz o monge" e "bom senso e caldo de galinha, não fazem mal á niguém"....


__________________________________________________________________________________ Ana Cláudia Bessa

9 comentários:

Milton Fetter disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cristiane A. Fetter disse...

Muita coisa eu acho fácil de mudar e virar hábito, outras nem tanto (comer chocolate ADORO).
Hoje tenho o hábito de todo o dia pela manhã (sempre que estou em casa) verificar meus e-mails, trabalhar no blog entre outras coisas.
Antes era difícil, mas hoje já está funcionando no automático.
Fez minha vida ficar mais fácil e mais rápida.
Este hábito eu visto.
Abraços

matteo irma disse...

Oi Ana!
Achei legal vc compartilhar esses seus hábitos conscientes...porque mostra que é simples, se incorpora mesmo à vida da gente, desde que tornemos essas ações hábitos.
Eu percebi, lendo seu email, que, embora não pense muito nisso, até que eu sou bem consciente, viu? Será que sou uma pessoa de bom senso?rs
Aqui em casa tb damos prioridade aos orgânicos. Consumir pouco sal é um hábito que tenho que agradecer a miha mãe, pois era assim na casa dela e, pelo meu marido, percebo o quanto é difícil mudar esse hábito. tb cuidamos do nosso lixo, separamos tudo direitinho. Sou atenta à questão dos descartáveis, sempre procuro no estúdio onde faço pilates, usar o mesmo copo durante o período em que estou lá (eu bebo muuuuita água). Mas por outro lado consumimos água mineral, um tantão de garrafas toda semana...
Legal mesmo nos levar a refletir sobre nossos hábitos, adorei o pos!
Bjs

Ana Cláudia Bessa disse...

Amigas, há tanto a mudar...

Eu tento me disciplinar quanto a computador e determino duas horas por dia...nem sempre consigo.

De noite, já determinei um horário. Terminando ou não, eu paro...nem sempre consigo...rs...

Estou passando a beber mais água como a Renata falou. Aboli os suquinhos durante o dia. Água pura.

O garrafão de água, foi substituído por um filtro que pago mensalmente. Sai mais barato que o monte de garrafões e ainda dá menos trabalho (limpar e virar garrasão é um saco-fora a qualidades dos garrafões que anda xexelenta...rs), não consumo a água mineral de nossas reservas e o filtro refrigerado permite que se abra menos a geladeira, o que gasta mais energia.

À noite,abolimos o lanche e já cosumimos saladas na maior parte dos dias.

Mas é preciso ainda mudar muita coisa, são tantos maus hábitos difíceis de mudar.....

Como andar mais de bicicleta para ir ao mercado e padaria para pequenas compras.

Tem um site de alimentação infantil que me fez sentir uma porcaliólatra...rs...de tanta sugestão legal para crianças...mas perdi o endereço no meu HD antigo...vou procurar.

É tanta coisa que precisamos mudar...
Ai, minha santa protetora dos bons hábitos...risos...olhai por nós!

matteo irma disse...

Por isso, Ana, que é preciso estar sempre refletindo sobre o tema! Porque sempre há o que melhorar...
Minha filha só agora comçou a gostar de porcarias, até porque, tirando o chocolate e outros doces, minha alimentação é bem saudável, como muita salada, legumes, verduras e nada de carne vermelha. A pequena até adora umas coisas que eu gosto, como sopa de ervilha com tofu defumado e lasanha de beringela. Ela adora frutas, mas tb adora chocolate e sorvete. E agora começou a gostar e vive pedindo pão de queijo, pipoca e pizza. Refrigerante ela nem sabe o que é, pois não tomamos. Bala, chiclete e pirulito nunca tem em casa, então só qdo ela está fora que vê e fica curiosa, claro. Criança tem um radarzinho...Eu tento enrolar, mas uma vez tive que dar um pirulito pra ela. Só de pensar naquele corante todo, fico arrepiada! Mas não dá pra negar em certas situações, aind amais qdo outras pessoas ficam dizendo pra dar e tal...aliás isso é super chato, né? A gente acaba ficando sem graça...
beijos

matteo irma disse...

Uma outra coisa, Ana: gostei da dica do filtro. Qual serviço vc usa?
Bjs, obrigada

Luz Fernández disse...

Oi Ana,

Li seus recados no Carbono Zero e fique à vontade de usar o material. Eu costumo navegar pela Net e ver o que há de interessante e redijo eu mesma o texto.
Já os postos de coleta de óleo foi colaboração de alguns amigos que me mandam sempre.
bjs

Luz

Ana Cláudia Bessa disse...

Renata,

Como eu falo mal das empresa por aqui, acho que devemos também falar bem, né?
Eu uso eo Aguastemp (sacou???...rs).
Estou muito satisfeita pois eles vem em casa de 6/6 meses avaliar o filtro e qualidade de água, sem ônus.

E acabou a história do garrafão!
inclusive deixando a gente livre para usar água filtrada inclusive na preparação da comida. O que com garrafão leva a gente a um consumo astronômico!

Beijos!

Ana Cláudia Bessa disse...

Obrigada, Luz!
Beijos!