terça-feira, 13 de novembro de 2007

PARADOXOS II (DESCARTÁVEIS)

Neste blog mesmo, os que acompanham sabem, alguns paradoxos já foram abordados como, por exemplo, a constatação de que uma pretensa atitude "ambientalmente correta" teve por consequência uma série de desdobramentos que terminam por colocar em xeque o acerto daquela atitude (já aconteceu com você?).


Pois é, Vamos tocar num destes paradoxos: Os DESCARTÁVEIS.

Responda honesta e sinceramente: Você entra numa loja dessas tipo delicatessem para degustar uma sobremesa.Num balcão estão vários tipos, cada um mais apetitoso que o outro, e todos acondicionados em embalagenzinhas individuais (descartáveis), "bonitinhas", "protegidinhas", "higiênicas".

No balcão ao lado, as mesmas sobremesas, só que acondicionadas em "tigelinhas" reutilizáveis de vidro.

Em qual você vai?(se quiser substitua a delicatessem por uma dessas lojas tentadoras de sorvete a peso. Considere que existam à sua disposição as embalagens descartáveis e outras não).F

alemos sério. Se você vai nas "tigelinhas" é porque, realmente, o seu nível de conscientização já está num nível bastante significativo. Parabéns.

A verdade é que a maioria esmagadora opta pelos descartáveis e são inúmeras as razões.

A embalagem descartável estabeleceu-se entre nós como ícone de praticidade; modernismo; higiene; garantia de qualidade etc etc etc.

Não é fácil se "despir" de todos esses conceitos de uma hora para outra. Assim como também não é fácil entender certas relações entre descartáveis x retornáveis, sobretudo no mundo industrial. Querem um exemplo?Muito se discute a respeito da "praga" do PET nas embalagens de bebidas. Pois bem, sabiam qua ainda não há consenso sobre o que mais "agride" o meio ambiente: O PET descartado ou a quantidade brutal de SODA CÁUSTICA usada na limpeza das garrafas de vidro retornável!!!?

Outro exemplozinho: Imagine que você tenha uma receita, daquelas de família, de uma "guloseima" qualquer e resolve "fabricar" para vender e aumentar seu orçamento familiar. Que tipo de embalagem você optará para acondicionar seu produto e viabilizar as vendas?

Fale a verdade. Não minta para si mesmo/a!

É paradoxo ou não? Tem mais. No próximo post.
__________________________________________________________________________________ Ivo Fontan

3 comentários:

Alvaro disse...

O que você falou do pet me fez refletir uma coisa: se todo o pet fosse reciclado corretamente, não precisaríamos usar os retornáveis.
E aí, poupava o mundo da soda da limpeza, né?

Ana Cláudia Bessa disse...

Sabe Ivo, acho que todas as empresas deveriam ser responsáveis pelo seu resíduo, inclusive a embalagem do produto levado pelo cliente.

Uma iniciativa legal que saiu no jornal da primeira semana de novembro, se não me falha a memória, foi a da Quintessência, uma farmácia de manipulação, que agora recolhe os vidrinhos de seus medicamentos. É só o cliente levar na loja.
O cliente pode até dar outra destinação, fazer coleta seletiva em casa, mas as empresas deveriam ter esse canal disponível.

Ivo Fontan disse...

É, Álvaro, "se" todo o PET fosse usado corretamente...